Refugiados da América Central tentam entrar nos EUA
Refugiados da América Central tentam entrar nos EUA

Os ministérios cristãos americanos em Honduras, Guatemala e El Salvador sabem que estão passando por um ano difícil. O governo dos EUA cortou drasticamente a ajuda aos três países da América Central em resposta ao grande número de refugiados que fugiram para o norte em busca de asilo na América.

Parte dos mais de US $ 500 milhões em dinheiro dos contribuintes dos EUA destinava-se a organizações sem fins lucrativos cristãs trabalhando no desenvolvimento econômico, nos esforços anticorrupção e em ajudar crianças em situação de pobreza nos três países. Esses ministérios terão que demitir pessoas, reduzir serviços e lutar para encontrar outros fundos.

“O governo Trump deu um tiro no pé com esses cortes”, disse Chet Thomas, diretor do Proyecto Aldea Global em Honduras, que foi forçado a interromper um programa de treinamento profissional que dava aos adolescentes alternativas para não se envolverem com quadrilhas criminosas. “Esses projetos são servem para … reduzir o número de pessoas que migram para os EUA.”

A ajuda externa dos EUA flui através de vários canais. Em muitos casos, acaba financiando organizações não-governamentais, incluindo organizações de assistência cristã na área da América Central, conhecida como Triângulo do Norte. Muitos deles abordam as condições que levam as pessoas a fugir de suas casas e procurar asilo, levando a uma crise na fronteira com os EUA.

Alguns ministérios trabalham diretamente com os governos anfitriões para treinar funcionários e aumentar a eficácia das instituições estatais. Outros se concentram mais no desenvolvimento da comunidade, geralmente construindo conexões com igrejas locais que não confiam no governo e não têm muitos recursos próprios.

Justificando os cortes, o Departamento de Estado dos EUA parecia subestimar o papel dos grupos sem fins lucrativos na abordagem da migração. “Esperamos que os governos de El Salvador, Guatemala e Honduras mantenham seus compromissos de conter a imigração ilegal para os Estados Unidos”, afirmou em comunicado.

A Associação para uma Sociedade Mais Justa (AJS, sigla em inglês) perdeu US $ 2 milhões em ajuda dos EUA para 2020, forçando-a a demitir 42 de 130 pessoas na equipe de Honduras. A organização cristã relata que fez grandes avanços nos últimos anos trabalhando com o governo hondurenho na reforma de seu sistema de justiça criminal. O AJS ajudou Honduras com uma varredura anticorrupção da força policial que substituiu milhares de policiais corruptos e estabeleceu vários programas de responsabilização judicial.

O foco do grupo é reforçar a integridade das instituições que os hondurenhos precisam para prender e processar criminosos, de acordo com Jill Stoltzfus, diretora executiva da AJS. Muitos hondurenhos não veem esperança em se opor às gangues porque não confiam no sistema judicial. Quando entram em conflito com uma gangue, sentem que não têm escolha a não ser fugir do país.

Isso começou a mudar quando a polícia e os tribunais fizeram justiça, disse Stoltzfus, mas exige consistência. É um processo longo, levando as pessoas a confiarem suas vidas em sistemas que falharam com eles no passado. A presença de terceiros foi decisiva na reconstrução da confiança.

“Grande parte desse trabalho está relacionada à confiança”, disse ela. “A confiança se perde quando as pessoas se sentem abandonadas … e é por isso que a AJS está aqui.”

Segundo Stoltzfus, os cortes foram “devastadores”, mas o ministério também viu Deus atender às suas necessidades. A AJC recebeu US $ 500.000 a US $ 600.000 adicionais em doações no final do ano passado, e alguns funcionários hondurenhos também conseguiram emprego no governo hondurenho. Ainda assim, Stoltzfus disse que os programas ainda terão uma aparência diferente em 2020, à medida que a organização avançar com menos dinheiro e menos pessoas.

A International Justice Mission (IJM) também está lidando com cortes. Na Guatemala, o IJM teve que demitir 40% de seus funcionários, muitos dos quais eram guatemaltecos. Também teve que reduzir drasticamente o “Projeto Sentinel”, que foi financiado em parte por US $ 10 milhões em quatro anos pelo governo dos EUA.

De acordo com uma análise independente, o trabalho do IJM na Guatemala mostrou resultados promissores no fortalecimento de instituições – especialmente a polícia, o ministério da educação e a igreja católica. O relatório constatou que os mentores inseridos no sistema de justiça criminal ajudaram a triplicar o número de condenações em casos de abuso sexual infantil. E mais casos de agressão sexual infantil foram relatados à medida que a comunidade ganhava confiança no sistema judiciário.

A IJM esperava usar o relatório positivo para expandir as operações no país. Com menos dinheiro de ajuda, no entanto, terá que voltar atrás.

A organização sem fins lucrativos tentará deixar o programa o mais “intocado possível”, disse Erin Payne, diretora regional do IJM para a América Latina. “A IJM está realmente comprometida com a Guatemala e o Triângulo do Norte em geral.”

A IJM descobriu, no entanto, que as partes mais eficazes do programa às vezes também são as mais caras. Os programas de orientação para advogados, policiais e investigadores criminais funcionam muito bem, de acordo com a revisão interna do IJM. Mas eles são uma maneira cara de fornecer treinamento.

Pode haver algumas maneiras de aproveitar o sucesso passado do programa para reduzir alguns custos. As igrejas guatemaltecas ofereceram espaço para os treinamentos policiais, algo que nunca havia acontecido quando o trabalho começou, disse Payne.

A Visão Mundial também estava vendo progresso em seu trabalho de longo prazo com crianças na Guatemala e El Salvador, disse Nate Lance, especialista em proteção à criança da Visão Mundial. Os funcionários começaram a ouvir testemunhos de pessoas que consideraram fugir para os EUA para pedir asilo, mas optaram por ficar por causa de novos programas de educação e desenvolvimento educacional.

Os cortes provavelmente significarão que a Visão Mundial poderá fazer apenas metade do que estava fazendo, disse Lance. “Fomos forçados a tomar algumas decisões difíceis”, explicou.

Os cortes serão contraproducentes, segundo Lance, na redução do número de pessoas que buscam fugir da América Central. O corte desses programas, explicou, significa “criar um ambiente em que as pessoas sintam que precisam sair de casa e deixar seus entes queridos para fazer uma viagem arriscada ao norte”.

Folha Gospel com informações de Christianity Today