Construção na Igreja St. Paul em Walnut Creek, Califórnia. (Foto: St. Paul’s Episcopal Church)
Construção na Igreja St. Paul em Walnut Creek, Califórnia. (Foto: St. Paul’s Episcopal Church)

Igrejas nos Estados Unidos estão compartilhando seus espaços com pessoas sem moradia e construindo casas populares em seus próprios terrenos. Estas ações fazem parte do movimento “Sim No Quintal de Deus”, YIGBY na sigla em inglês.

A sigla é uma brincadeira com a expressão NIMBY — abreviação de “Não No Meu Quintal” — frequentemente usada para descrever a resistência de americanos contra moradias populares e projetos semelhantes.

“Jesus nos diz claramente para mantermos nossos olhos abertos para aqueles que precisam”, disse o pastor Jonathan Doolittle, da Igreja Luterana de Clairemont.

A Califórnia está entre os 10 mercados menos acessíveis dos EUA e tem um dos custos mais elevados do país. Em 2019, o preço médio de uma casa na Califórnia era de US$ 549.000, e o preço médio do aluguel era de US$ 2.800.

Com a pandemia, os preços aumentaram ainda mais. Em Atlanta, capital da Geórgia, os preços das casas subiram 24,3% em relação ao ano passado e foram vendidas por cerca de US$ 406.000.

Como parte desse movimento, o bispo T.D. Jakes, pastor da The Potter’s House em Dallas, comprou aproximadamente 94,5 acres da Fort McPherson, uma antiga base militar do Exército americano em Atlanta, com o objetivo de construir moradias populares. De acordo com o Atlanta Business Chronicle, a empresa de Jakes pagou US$ 29 milhões pelo terreno.

O pastor David Lewicki, da Igreja Presbiteriana North Decatur, em Atlanta, encara o projeto de moradias populares como um ministério. “A habitação é um bem profundo e até sagrado”, opina.

Moradias a preços acessíveis e o desenvolvimento comunitário podem parecer apenas empreendimentos comerciais, mas os pastores sabem o quanto essas questões afetam a vida em comunidade.

“Desde que Paulo, Barnabé, Simeão, Lúcio e Manaém se reuniram em Antioquia (Atos 13), a igreja ofereceu ao mundo uma visão de comunidade integrada. A integração é obra do Espírito Santo”, disse Lewicki. “Tão importante quanto isso, Jesus sempre provocava seus seguidores a desistir de suas riquezas por algo maior.”

Em San Diego, na Califórnia, igrejas têm oferecido seus espaços por um período para abrigar famílias em crise, enquanto elas se recuperam. A Igreja Luterana de Clairemont iniciou um plano de construir entre 16 e 21 apartamentos em seu estacionamento.

No norte da Califórnia, a Igreja Episcopal de St. Paul, em Walnut Creek, também entrou no projeto de moradias a preços acessíveis, que inclui 45 apartamentos. A Rev. Krista Fregoso disse que já estava ajudando pessoas que sem-teto e depois pensou: “E se nos tornássemos parte da solução também?”

Para Fregoso, esta é uma parte de como a igreja vive sua fé. “Esperamos ser um modelo para outras comunidades religiosas que podem ver suas propriedades de uma maneira diferente.”

Fonte: Guia-me com informações de Christianity Today