Cristã foi agredida por sua fé, em Uganda
Cristã foi agredida por sua fé, em Uganda

Uma jovem cristã na vila de Luwooko, sub-condado de Buwunga, distrito de Bugiri, no leste de Uganda, foi emboscada, estrangulada e severamente espancada por um grupo islâmico radical por compartilhar o Evangelho com os muçulmanos em sua região. Todos eles entregaram suas vidas a Jesus.

Lydia Nabirye, 23 anos, diz que foi atacada em 7 de abril depois de visitar um ex-muçulmano na vila de Bukolwa que estava de luto pela perda de um filho.

“Alguns me deram tapas, e outros me bateram com paus, dizendo que queriam me matar porque eu estava mudando os muçulmanos para se tornarem cristãos”, disse ela.

Os vizinhos ouviram o grito de Nabirye e imediatamente chamaram a polícia.

“Os agressores fugiram quando os policiais chegaram”, afirmou Nabirye, três dos quais ela conseguiu identificar.

Falando ao Morning Star News, Nabirye disse que compartilhou sua fé com uma jovem muçulmana no início de março, que posteriormente se tornou cristã.

A ex-muçulmana, não identificada pelo Morning Star News por razões de segurança, recebeu ameaças de sua família islâmica devido à sua nova fé, então a família de Nabirye se refugiou em sua casa, onde outros seis ex-muçulmanos estão hospedados devido a ameaças.

O pai de Nabirye, Paul Kaikiya, um evangelista, está com muito medo de um possível ataque novamente.

“Quando conheci Nabirye em sua casa em 14 de abril, ela ainda estava sofrendo com vários ferimentos na cabeça, olho direito e mão esquerda”, disse uma fonte da área ao Morning Star News.

“No momento, o pai de Nabirye está com muito medo de um possível ataque. Os muçulmanos da vila de Luwooko juraram prejudicar Paul Kaikiya. A família precisa de orações neste momento difícil, especialmente pela segurança e segurança dos fiéis de origem muçulmana”, acrescentou a fonte.

Em outra parte da vila de Odwarata, o Distrito Pallisa, uma ex-muçulmana, Sylvia Shamimu Nabafa, 27, também está se recuperando de ferimentos depois que sua família a espancou por se tornar cristã.

“Eu me encontrei na cama do hospital no Centro de Saúde Palissa”, disse ela.

Sylvia depositou sua fé em Cristo em janeiro deste ano e assistia secretamente aos cultos da igreja por cinco semanas.

No entanto, ao deixar a igreja em 16 de fevereiro de 2020, uma vizinha muçulmana a viu e relatou ao pai, Haji Juma Suleiman, disse Sylvia durante uma entrevista ao Morning Star News.

Naquela noite, seu pai perguntou se ela era cristã, disse Nabafa, que na época estava grávida de cinco meses.

“Eu não respondi. Ele começou a me bater com chutes e socos”, disse Nabafa ao Morning Star News. “Ele então pegou um objeto contundente e bateu na minha perna direita. Comecei a sangrar e, quando soube, me encontrei na cama do hospital no Centro de Saúde Palissa”.

Apesar da violência, ela recebeu alta após seis dias no hospital. “O médico disse que o feto está bem”, relata ao Morning Star News.

Fonte: Guia-me com informações de Morning Star News