Jeffrey Younger (direita) e seu filho James agora não podem mais se encontrar, a não ser que o pai trate o garoto como uma menina. (Foto: The BL)
Jeffrey Younger (direita) e seu filho James agora não podem mais se encontrar, a não ser que o pai trate o garoto como uma menina. (Foto: The BL)

Um júri de Dallas decidiu contra um pai que luta para salvar seu filho de 7 anos de uma transição de gênero provocada por sua ex-esposa.

Onze dos 12 jurados optaram por não conceder tutela exclusiva a Jeffrey Younger sobre seus filhos gêmeos, de acordo com a LifeSiteNews Monday. Assim, Anne Georgulas, a mãe legal dos gêmeos, agora é capaz de continuar “fazendo a transição” de um dos meninos, James, para “Luna”.

A decisão do júri pode significar que Younger, apesar de suas objeções religiosas e morais, será forçado a “afirmar” seu filho como mulher e também será obrigado a participar de uma aula sobre transgenerismo, informou a agência pró-vida.

James e seu irmão gêmeo Jude foram feitos através de reprodução de terceiros usando um doador de óvulos, segundo relatos.

O júri decidiu não conceder ao Sr. Younger a guarda de seus dois filhos gêmeos. Eles votaram que a atual Administração Conjunta de Conservação deveria ser substituída por uma guarda individual, mas que o Sr. Younger não deveria ser a pessoa detentora dessa guarda. A juíza Kim Cooks lerá sua decisão sobre a posse, pensão alimentícia e outros pedidos da sra. Georgulas às 13:30 (horário local), nesta quarta-feira.

Georgulas, que abriu o processo, estava pedindo que o horário de posse de Younger fosse alterado para diminuir os pernoites dos garotos na casa dele e forçar que suas visitas aos meninos a fossem0 supervisionadas. Georgulas levou o processo de modificação original ao tribunal e não solicitou um julgamento por júri. Younger, em sua contra-petição, pediu um julgamento por júri. Desde que o Sr. Younger solicitou o julgamento do júri, o júri decidiu seu pedido específico de Conservação de Gerenciamento Único (guarda individual) e o juiz decidiu sobre todos os outros aspectos da petição apresentados pelo Dr. Georgulas.

A mãe também estava pedindo que Jeff fosse proibido de chamar seu filho de James – seu nome de registro no nascimento – e que ele fosse proibido de aproximar James de pessoas que não tratam o garoto como “menina”.

O Sr. Younger estava pedindo para ser concedida a ele a guarda individual dos meninos, o que significa que ele teria total autoridade sobre a tomada de decisões médicas, psicológicas e outras decisões dos garotos.

O júri decidiu que um dos pais deveria ser o único administrador conservador – mas que não deveria ser o Sr. Younger.

Antes deste caso, a mãe já tinha total autoridade sobre as decisões de atendimento psicológico para os meninos. Ela foi obrigada a informar o Sr. Younger de suas decisões, mas ele não teve voz na escolha de seus cuidados.

Precipitação

Na semana passada, os argumentos que levaram à decisão do júri giraram em torno do diagnóstico de “disforia de gênero” dado a James, com registros médicos recomendando que ele iniciasse o processo de preparação para bloqueadores da puberdade. Especialistas também apresentaram argumentação contrária, alertando sobre os riscos e supostos dos bloqueadores da puberdade e dos hormônios sexuais.

Younger está preocupado com o fato de sua ex-mulher venha a forçar uma vida inteira de miséria ao filho. Os indivíduos que se identificam transexuais, mesmo quando estimulados por sua confusão, sofrem de mais problemas psicológicos do que a população em geral, têm vida útil mais curta e são mais propensos a cometer suicídio.

De acordo com a Clínica Mayo, os possíveis efeitos colaterais da terapia hormonal feminizadora entre mulheres são:

  • Um coágulo sanguíneo na veia profunda (trombose venosa profunda) ou no pulmão (embolia pulmonar)
  • Triglicerídeos altos, um tipo de gordura (lipídio) no sangue
  • Cálculos biliares
  • Ganho de peso
  • Índices elevados da função hepática
  • Diminuição da libido
  • Disfunção erétil
  • Infertilidade
  • Alto potássio (hipercalemia)
  • Pressão alta (hipertensão)
  • Diabetes tipo 2
  • Doença cardiovascular, quando pelo menos dois outros fatores de risco cardiovascular estão presentes
  • Prolactina excessiva no sangue (hiperprolactinemia) ou uma condição na qual um tumor não canceroso (adenoma) da glândula pituitária no cérebro produz mais o hormônio prolactina (prolactinoma)

Especialistas testemunharam alegando a incapacidade de uma criança de compreender completamente os possíveis efeitos colaterais dessa terapia, como infertilidade permanente, incapacidade de se envolver naturalmente naturalmente em relações sexuais e uma vida útil reduzida.

Na última sexta-feira, os manifestantes pediram aos legisladores do Texas que aprovassem uma legislação que tornava ilegal uma transição sexual / de gênero em menores de 18 anos. Eles argumentaram que as crianças não conseguem entender completamente as consequências de suas decisões ao longo da vida e que os pais não devem ser autorizados a tomar essa decisão por seus filhos.

Atualmente, não existem leis dos EUA que restrinjam o uso de bloqueadores da puberdade ou hormônios sexuais cruzados ou que definam uma idade mínima de administração.

A sra. Georgulas testemunhou que James e Jude não são biologicamente relacionados a ela. Eles foram criados por fertilização in vitro e o casal usou um doador de óvulos.

Fonte: Guia-me com The Christian Post