Líder da igreja internacional
Líder da igreja internacional "A Luz do Mundo", Naasón Joaquín García

Naasón Joaquín García, líder da maior igreja evangélica do México, foi condenado a quase 17 anos de prisão por agredir sexualmente três meninas menores de seu rebanho.

A condenação surgiu depois do religioso ter lutado vigorosamente contra todas as acusações que lhe eram imputadas, que incluíam estupro de crianças. Porém, García acabaria por aceitar, inesperadamente, um acordo que lhe foi feito na véspera do julgamento.

García se declarou culpado na sexta-feira, 3, por duas acusações de cópula oral forçada envolvendo menores e uma acusação de ato lascivo contra uma adolescente de 15 anos. Uma declaração do Departamento de Justiça da Califórnia anunciou que García foi condenado a 16 anos e oito meses de prisão. Ele também será obrigado a se registrar como agressor sexual por toda a vida.

O homem de 53 anos liderou a congregação La Luz Del Mundo , com sede em Guadalajara, Jalisco, México, que tem vários locais nos Estados Unidos e no México.

“A sentença para Naasón Joaquín García é um passo crítico para a justiça”, disse o procurador-geral da Califórnia, Rob Bonta, em comunicado. “Embora nunca desfaça o dano e o trauma que ele causou como líder do La Luz del Mundo, esta sentença deixa claro que os agressores – não importa quem sejam – serão responsabilizados. A agressão sexual nunca é aceitável”.

“Meu coração está com todos os afetados pelas ações horríveis trazidas à luz durante este caso. No Departamento de Justiça da Califórnia, continuaremos a defender os sobreviventes e lutar contra os abusos”, acrescentou.

Ao sentenciar García na quarta-feira, o juiz do Tribunal Superior do Condado de Los Angeles, Ronald S. Coen, o chamou de “predador sexual”, informou o Los Angeles Times.

“Sou juiz há muito tempo”, disse ele. “Nunca deixarei de me surpreender com o que algumas pessoas fazem [em nome da] religião.”

Acusações

Os procuradores responsáveis pelo caso afirmaram que Naasón Joaquín García teria usado a sua influência espiritual para ter relações sexuais com várias seguidoras e que terá sido auxiliado por outros membros da Igreja, que acabariam por facilitar o abuso.

A líder do grupo de jovens da Igreja, Alondra Ocampo, que anteriormente tinha se declarado culpada pelo crime de abuso de menores, foi acusada de providenciar ao líder do grupo religioso danças de meninas menores, em trajes ‘sensuais’. Teriam também sido realizadas sessões fotográficas de jovens totalmente nuas, segundo as acusações.

Alondra Ocampo teria dito às jovens envolvidas nestas ‘iniciativas’ que caso rejeitassem os desejos do “apóstolo”, iriam contra os desejos de Deus. Segundo as acusações, a mulher disse ainda que “um apóstolo de Deus nunca pode ser julgado pelos seus atos”.

“Ela recrutou e preparou-lhe ativamente as meninas”, disse Fred Thiagarajah, o advogado de Ocampo. “Ela tinha como alvo estas garotas e trazia-as para o seu rebanho interior. Ela era encarregada de sexualizar as adolescentes e de facilitar o seu abuso”, acrescentou a mesma fonte.

Segundo os promotores de justiça, as vítimas foram alvo de uma ‘lavagem cerebral’, tendo-lhes sido instigada a ideia de que seriam ostracizadas pela comunidade da igreja se não se submetessem aos desejos do líder.

Naasón Joaquín García tinha sido alvo de um total de 19 acusações, que incluíam também alegações de tráfico de seres humanos para fins de pornografia infantil. Existiam ainda quatro acusações de extorsão e de agravamento de sentença por graves danos corporais, as quais foram arquivadas por falta de provas.

O pai de Naasón Joaquín García, Joaquín Flores, que foi também líder deste grupo religioso, foi também alvo de alegações de abuso sexual infantil em 1997. Porém, as autoridades mexicanas nunca apresentaram acusações criminais.

A Igreja La Luz del Mundo, com origem no México, conta atualmente com cerca de um milhão de membros norte-americanos.

Evidências fabricadas

Os líderes da Igreja que estão ao lado de García citam uma moção de 211 páginas apresentada por sua equipe de defesa legal pedindo à Procuradoria Geral da Califórnia para descartar o caso como fonte de preocupações sobre evidências fabricadas. No início deste ano, o juiz do Tribunal Superior do Condado de Los Angeles, Stephen A. Marcus , recusou -se a arquivar o caso contra o líder da megaigreja.

A moção de março afirma que o agente especial do Departamento de Justiça da Califórnia, Joseph Cedusky, usou seletivamente informações de milhares de mensagens de texto para promover a narrativa criminal contra Garcia, enquanto a promotoria atrasou ativamente o acesso a todo o cache de mensagens de texto, que, segundo eles, incluíam provas de defesa, para a defesa.

“A magnitude da má conduta do governo foi tão grande que não pode ser facilmente quantificada, e o efeito cascata das consequências dessas ações é imenso”, escreveram o advogado de defesa de García, Alan Jackson, e sua equipe. “Isso inclui, entre outras coisas , o Sr. Garcia ser forçado a assistir a uma zombaria de uma audiência preliminar baseada inteiramente em mentiras e ficção criadas de todo o pano nas mentes de investigadores e promotores.”

A igreja alega que, como o tribunal não permitiu que García usasse provas específicas em sua defesa, ele estaria em desvantagem se fosse a julgamento.

“Sem o direito de usar a prova, não há direito de defesa. Sem o direito de usar a prova, não pode haver julgamento justo. [García] não teve escolha a não ser aceitar com muita dor que o acordo apresentado é o melhor caminho a seguir para proteger a igreja e sua família”, declararam oficiais da igreja.

A igreja indicou: “Manifestamos publicamente nosso apoio a [García]; nossa confiança nele permanece intacta no pleno conhecimento de sua integridade, conduta e trabalho”.

Eles prometeram “continuar a praticar as obras de Jesus Cristo, que [García] nos ensinou, sempre procurando ajudar nosso próximo”.

“[García] continuará ministrando à igreja. Este é um caminho que Deus colocou à sua frente por uma razão, como fez com o apóstolo Paulo. [García] trabalhará esse caminho com sua fé em Deus e continuará cumprindo o missão de Jesus Cristo: ser a Luz do Mundo”, concluiu a igreja.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Comentários