Jerusalém
Jerusalém

Os locais de peregrinação cristã na Terra Santa, incluindo o local de nascimento de Jesus, Belém, estarão inacessíveis aos viajantes cristãos estrangeiros novamente neste Natal devido à pandemia de COVID-19 e ao recente aumento da variante ômicron.

O governo israelense foi acusado de discriminar turistas cristãos durante a movimentada temporada de férias de Natal, fechando sua fronteira para estrangeiros, mas abrindo uma exceção para jovens judeus.

Israel restringiu principalmente os turistas internacionais desde março de 2020, quando muitos países começaram a implementar políticas de bloqueio em resposta à pandemia, e só começaram a admitir visitantes estrangeiros totalmente vacinados no início de novembro. Com o surgimento da variante ômicron, as restrições de viagem foram reimpostas.

A proibição de viajantes estrangeiros a Israel foi novamente instituída no final do mês passado por duas semanas e posteriormente foi prorrogada. Além de proibir viagens ao exterior, as autoridades israelenses também proibiram os residentes de viajar para vários países estrangeiros para conter a disseminação do ômicron.

Enquanto Belém fica na Cisjordânia controlada pelos palestinos, a única maneira para a maioria dos peregrinos estrangeiros acessar a cidade é voando para Israel.

Belém é um destino popular para turistas durante as férias, pois muitos peregrinos cristãos visitam o local antigo, principalmente a Praça da Manjedoura.

A agora debilitada indústria do turismo em Belém e em outros locais da Terra Santa foi devastada. Isso marcará o segundo ano consecutivo em que estrangeiros não poderão visitar a região.

Em meados de dezembro, as autoridades israelenses abriram uma exceção à proibição de viajantes estrangeiros para jovens judeus em todo o mundo que desejam viajar como parte de uma exceção por “direito de primogenitura”. Mas as restrições ainda permanecem em vigor para outros estrangeiros, incluindo peregrinos cristãos que desejam viajar para cidades históricas onde Jesus passou durante seu ministério terrestre. Esses incluem Jerusalém, Belém e Nazaré.

Um porta-voz e conselheiro de igrejas na Terra Santa, Wadi Abunassar, recorreu às redes sociais para afirmar que várias denominações cristãs não estão satisfeitas com o que consideram discriminação contra os peregrinos cristãos.

“A discriminação racista nunca deve ser aceita de forma alguma!” ele escreveu em um post no Facebook, conforme relatado pela The Associated Press . “Exorto as autoridades israelenses a tratarem com igualdade todos aqueles que desejam visitar o país, sem qualquer discriminação religiosa.”

Um oficial da Igreja Católica disse à AP que a igreja solicitou ao Ministério do Turismo de Israel que abra uma exceção para os peregrinos cristãos durante o Natal.

O grupo de vigilância da perseguição com sede nos EUA, International Christian Concern (ICC) disse que os proprietários de hotéis locais e funcionários em Belém estavam se preparando para um fluxo de visitantes – que deveriam ser preenchidos com 70% da capacidade.

Em 2013, o último ano que dados foram disponibilizados pela Autoridade Palestina, cerca de 1,16 milhão de turistas estrangeiros visitaram a área, segundo o ICC. A organização sem fins lucrativos observou ainda que, embora os hotéis israelenses e o setor de turismo tenham recebido estipêndios do governo, os localizados nos territórios palestinos receberam apenas um estipêndio único de US $ 224.

Mais de 4,5 milhões de estrangeiros visitaram Israel em 2019, com os peregrinos cristãos respondendo por cerca de 25% desse total.

Em 2020, o número de visitantes estrangeiros em Israel caiu para menos de 1 milhão, quando Israel e os territórios palestinos registraram altas taxas de infecção. Os visitantes estrangeiros foram barrados principalmente no Natal passado.

De acordo com o The New York Times, havia esperança este ano de que até 15.000 peregrinos visitariam a região para o Natal, apesar das complicações da viagem e outros desafios relacionados ao vírus.

“Para as pessoas em Belém, isso teria sido um oxigênio importante”, disse Abunassr ao jornal. “A comunidade está sofrendo.”

A Igreja da Natividade, um dos locais mais famosos de Belém, está passando por reformas significativas, que devem continuar.

Esses projetos de restauração estão sendo ajudados junto com contribuições dos americanos. O trabalho de restauração da igreja até agora custou pelo menos US $ 15 milhões, dos quais a American Friends of the Bethlehem Foundation e a Bethlehem Development Foundation arrecadaram pelo menos US $ 2,6 milhões, divididos igualmente.

A antiga igreja foi nomeada Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em 2012. Ela foi anteriormente listada na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo da UNESCO devido a um “estado de conservação deficiente” antes de sua remoção em 2019.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Comentários