Li Wen Teng ganha a vida como adivinho taoísta, papel que sua linha paterna desempenha por gerações perdidas no tempo. Mas ele bem poderia trabalhar como comentarista esportivo, afinal, se mostrou um expert em esporte brasileiro perdido em uma viela suburbana de Pequim.

A pedido do UOL Esporte, ele fez previsões sobre o desempenho brasileiro nesta Olimpíada. Adivinhe o resultado: um fracasso do time de Dunga, mas uma volta triunfal da delegação nacional após os Jogos. Parecia até que o vidente tinha conhecimento do histórico de fiascos do futebol olímpico. Dava mesmo para desconfiar que esse mago andou lendo sobre a Lei Piva e outros mecanismos que injetaram dinheiro estatal no setor esportivo.

“O futebol irá muito mal aqui, com sérios problemas para marcar gols. O Brasil foi forte no passado, mas na China se revelará fraco, fraco”, decretou após analisar as moedas cheias de ideogramas.

Concentrado em sua pergunta para os deuses locais, a pessoa que questiona tem que agitar três moedas entre as mãos, balançando seis vezes antes de lançá-las sobre uma folha de papel. E esse procedimento tem de ser repetido também seis vezes para completar a resposta. Após cada movimento, o adivinhador analisa a disposição das medalhas.

Quando a dúvida foi sobre o desempenho geral da missão nacional, a conclusão foi bem melhor. “A delegação brasileira se sentirá muito feliz quando voltar para o Brasil. Terá um desempenho excelente. As medalhas virão para boa parte dos times brasileiros”, cravou o senhor Li.

Foi árduo o trabalho para achar esse personagem raro. Tão em extinção que nenhum de seus quatro filhos quer seguir a profissão do pai. “Eu trabalho em uma empresa australiana. Hoje em dia, é mais importante falar inglês do que saber os segredos do taoísmo”, disparou a filha mais velha, Allen, que até adotou nome anglo-saxão no esforço de assimilação.

Os novos profetas taoístas estão em volta do templo Baijun, muito visitado pelos turistas interessados na escola filosófica e mística de mais de 2.000 anos fundada por Lao Tse. Mas, com as profundas mudanças em Pequim e as escavadeiras e guindastes, seus locais se deslocaram para trás de tapumes e viadutos.

Finalmente foi achada a viela dos “suan ming”, como são conhecidos em chinês. O ambiente lembra uma locação de filme de kung fu: ruela apertada, cheia de lojas poeirentas, gatos, bicicletas, crianças e velhos apinhados. Só faltava surgir uma gangue distribuindo sopapos e pontapés. Mas o que apareceu foram várias imagens do deus Guan Yu, indicando que atrás daquelas portas com cortinas de plástico existiam adivinhos.

O primeiro clarividente visitado se chamava Yun Xian Ge e atendia no subsolo de uma lanchonete. Atrás da vitrine com latas de refrigerantes, muito incenso, altares com velas eletrônicas e imagens de Guan Yun, deus da honra, ainda no plástico esperando serem vendidas com outras estátuas da crença politeísta e sem hierarquia religiosa.

A negociação foi demorada, mas ele não quis reduzir seu preço de 800 yuans (R$ 200) para desvendar o que aconteceria com o Brasil em terras chinesas. Jornalista adora antecipar as notícias, mas esse furo de reportagem estava muito caro, e o jeito foi tentar um segundo futurólogo.

O problema é que o preço devia ser tabelado pelo cartel espiritual. Contudo, dessa vez, a barganha incluiu uma retirada estratégica de campo. E a fuga fingida surtiu efeito, com o preço caindo para 500 yuans (R$ 125). Acordo fechado, mas só poderia fazer duas perguntas. Infelizmente, não deu para adiantar o que vai acontecer com a equipe de Bernardinho nem com as outras equipes nacionais, muito menos saber se a China vai bater mesmo os EUA no quadro geral de medalhas.

A tradutora que acompanhava a reportagem não concordou no gasto desse dinheiro: “Mas você acredita nisso? É muito caro.” Não poderia mentir para ela e tentei ser espirituoso: “Acredito tanto nisso quanto Mao Tsé-tung.” Depois da Revolução Comunista de 1949, várias tradições milenares, como a adivinhação taoísta, foram proibidas e perseguidas como crendices que não combinavam com o novo homem materialista e científico.

Vários templos foram fechados. As imagens de deuses taoístas, como o casal de deuses da terra Tu Di Gong e Tu Di Pó, foram destruídas. E entrou em descrédito Lao Tse, cuja imagem de barba e cabelo brancos e longos deve ter inspirado a personagem tarantinesca Pai Mei.

Já o adivinho Li Wen Teng se assemelha mais a um contador atrás de sua burocracia que a um mago. “Eu tenho uma roupa em casa, com chapéu e túnica, mas o mais importante é o conhecimento. Isso é difícil de adquirir. A roupa você manda fazer”, argumenta o senhor Li, que afirmou ter um retrospecto de 95% de acerto em suas profecias.

O senhor Li conta que seu pai e avô exerceram a função de forma clandestina durante o período em que Mao derrubou o Tao (caminho, em chinês). Mas seus antecessores atendiam pessoas querendo saber sobre amor e saúde. Ou sobre o tempo e o sexo das crianças ainda dentro da barriga, coisa que a ciência sabe precisar melhor atualmente.

“Hoje 70% das pessoas querem saber de suas carreiras profissionais, se vão ganhar dinheiro, se devem trocar de emprego e profissão”, revela o adivinhador. Agora é conferir se sua profecia vai bater ou ficará nos 5% de erro

Fonte: UOL