Dr. Richard Scott está sendo investigado por falar sobre sua fé cristã nas consultas com pacientes. (Foto: Will Wintercross)
Dr. Richard Scott está sendo investigado por falar sobre sua fé cristã nas consultas com pacientes. (Foto: Will Wintercross)

Um médico cristão pode ser afastado das suas atividades pelo órgão regulador médico depois de falar aos pacientes sobre Deus e sua fé cristã.

O Dr. Richard Scott está sendo investigado pelo Conselho Geral de Medicina (GMC, sigla em inglês) depois que a Sociedade Secular Nacional (NSS, sigla em inglês) queixou-se ao órgão em maio que um paciente “altamente vulnerável” sentiu “desconforto com o uso da oração”, informa o Sunday Times. 

O GMC disse que tinha “o dever de investigar” se sentisse que a “queixa levantava questões sobre a capacidade do médico de praticar suas atividades profissionais com segurança ou se ameaçava a confiança do público”.

O Dr. Scott, que está na profissão há mais de 40 anos, incorporou um “ângulo espiritual” em seus cuidados para pacientes com depressão, ansiedade ou vício, segundo o jornal.

Ele é um associado do Centro Médico Bethesda em Margate, cidade litorânea de Kent, que afirma em seu site que a maioria dos parceiros na clínica são cristãos praticantes e que “sua fé orienta a maneira pela qual eles veem seu trabalho e responsabilidades para com os pacientes e funcionários”.

O site também diz aos pacientes que eles devem informar a prática se eles não querem que seus médicos falem com eles sobre fé. 

“Os médicos sentem que conversar com você sobre questões espirituais é de grande benefício. Se você não deseja isso, isso é seu direito e não afetará sua assistência médica”, afirma. 

Acrescenta: “Por favor, informe o médico (ou deixe um recado para o gerente da clínica) se você não quiser falar sobre questões de fé.” 

Não se sabe quando o GMC concluirá sua investigação, mas se sustentar a queixa, o Dr. Scott corre o risco de ser afastado. 

Em comentários ao The Sunday Times, o Dr. Scott disse: “Eles estão se curvando ao secularismo agressivo. Eles estão lá para garantir a segurança pública, mas estão transformando isso em um grande caso”.

Tim Dieppe, chefe de políticas públicas da Christian Concern, que está apoiando o Dr. Scott, criticou a decisão do GMC de iniciar uma investigação “quando tudo o que o Dr. Scott está fazendo é mostrar preocupação e cuidado por toda a pessoa, incluindo o espiritual, emocional e psicológico mais amplo”.

“Estamos nos perguntando sobre a adequação da investigação, em primeiro lugar, porque tudo o que aconteceu aqui é que ele teve conversas com alguns pacientes ocasionalmente – ele estima cerca de um em 40, o que não é muito – e ele só faz isso quando o paciente concorda”, disse ele. 

Ele acrescentou: “É sempre quando ele já fez o diagnóstico médico e quando o paciente está feliz por ter essa conversa.”

Não é a primeira vez  que o Dr. Scott é investigado por falar aos pacientes sobre sua fé. Em 2012, ele recebeu uma advertência oficial do GMC depois de falar sobre os benefícios da fé cristã para um paciente durante uma consulta particular. 

O GMC disse na época que as ações do Dr. Scott “não atendiam aos padrões exigidos de um médico” e que ele havia considerado o paciente “um pouco angustiado” ao tentar “impor” suas crenças a eles.

Folha Gospel com informações de The Christian Post