O filme francês 'Cuties' ('Lindinhas') foi lançado na Netflix e tem gerado revolta por sexualizar crianças
O filme francês 'Cuties' ('Lindinhas') foi lançado na Netflix e tem gerado revolta por sexualizar crianças

Uma reação negativa está ocorrendo em relação a um filme francês chamado “Cuties” que está sendo transmitido na Netflix por causa do conteúdo que muitos dizem sexualizar meninas de 11 anos e promover a normalização da pedofilia.

O filme francês “Lindinhas” (intitulado “Mignonnes” em francês e “Cuties” em inglês) conta a história de Amy, de 11 anos, uma garota muçulmana senegalesa que mora em um bairro pobre da França. Ela se junta a um grupo de outras meninas que executam rotinas de dança hiper-sexualizada, conhecida como “twerk”.

O filme, que enfrentou polêmica no início deste ano quando a Netflix o anunciou com um pôster mostrando um grupo de garotas posando sugestivamente em trajes de dança minúsculos, gerou ainda mais indignação agora que o filme pode ser visto em sua totalidade. Clipes do filme das garotas girando provocativamente, com fotos em close de seus corpos seminus, se tornaram virais nas redes sociais.

Muitos usuários do Twitter compararam a pornografia infantil e disseram que não iriam mais assinar o serviço de streaming online e pediram que outros fizessem o mesmo, acompanhados por uma hashtag #cancelnetflix , que foi o principal tópico de tendência no utilitário de mídia social esta semana.

No mês passado, a Netflix acabou mudando o pôster e a descrição do filme após uma onda de críticas online, que acusaram a plataforma de expor as garotas de forma sexualizada.

Porém, os trailers do filme lançados nas redes sociais acabaram mostrando que não apenas o banner da Netflix, mas a produção como um todo promove a sexualização precoce das garotas. Isso acabou provocando ainda mais a indignação online, com muitos dizendo que o filme está promovendo a pedofilia.

Fato é que o filme tem sido apontado como um exemplo de “pedofilia legalizada”, não apenas por pais e grupos conservadores, mas também por guias de entretenimento como o conhecido IMDb. O site do guia expõe um claro alerta aos pais sobre o filme, descrevendo algumas cenas que pode ser “perturbadoras”.

“Um par de calças de couro justas em uma menina de 11 anos é puxado com força no meio de uma briga; a câmera olha para o traseiro exposto de sua calcinha”, alertou parte do texto do IMDb.

O texto que apareceu anteriormente no site da IMDb incluía o seguinte:

Aviso dos pais: Durante uma das muitas cenas de dança altamente sexualizadas e eróticas que exploram e objetificam propositadamente diversas garotas menores de idade seminuas, uma das dançarinas levanta sua blusa cortada para exibir totalmente o seio nu. Isso é legalmente definido como pedofilia e pode ser extremamente angustiante para muitos espectadores

Aviso de gatilho: uma menina de 11 anos assiste a um videoclipe de rap feminino em que mulheres nuas desempenham papéis de dança em atos sexuais heterossexuais e lésbicos. Um grupo de dança feminina de 11 anos então imita esses movimentos sexuais através de si mesmas e umas das outras enquanto a câmera amplia suas partes sexuais enquanto elas se retorcem eroticamente. Isso pode ser muito angustiante para muitos espectadores.

Nudez dos seios femininos de um menor durante uma cena de dança erótica e grandes e excessivas fotos de seios, bumbum e virilhas abertas de meninas de 11 anos com pouca roupa durante várias rotinas de dança sexualizada”.

A favor do filme

Os defensores do filme nos principais meios de comunicação afirmaram que aqueles que reclamaram do filme perderam o ponto principal, que a mensagem geral do filme na verdade é um caso contra a sexualização das crianças. Mas a reação destacou uma desconexão entre os críticos de cinema e grande parte da mídia tradicional que elogiou o filme e as massas que foram repelidas por ele – uma petição online  reuniu centenas de milhares de assinaturas pedindo às pessoas que cancelem o Netflix e criticando o filme.

A cineasta Maïmouna Doucouré é uma realizadora e argumentista franco-senegalesa. O filme ganhou o prêmio internacional do júri de ficção de curta-metragem no festival de cinema de Sundance em 2016.

Aja Romano, que está na equipe de cultura da Vox, disse na quinta-feira que considerou o filme “um filme maravilhoso, comovente, desafiador e cheio de nuances, inteligentemente elaborado por um diretor maravilhoso” e descartou a controvérsia em torno dele como ” propaganda alimentada por tipos de QAnon e anti-semitas.”

A Netflix está defendendo  sua decisão de hospedar o filme em sua plataforma, dizendo em um comunicado ao Daily Caller que o filme é “premiado” e uma “história poderosa” que é um “comentário social contra a sexualização de crianças pequenas. “

Contra o filme

O jornalista e comentarista conservador Matt Walsh diz que “Cuties” é parte de um “esforço para normalizar a pedofilia”.

“Com essas cenas horríveis agora disponíveis publicamente, parece quase inútil se envolver com a noção totalmente absurda de que os cineastas fizeram crianças de 11 anos se contorcerem e girarem mal vestidas como algum tipo de protesto contra a sexualização das crianças. É como um filme de terror, apresentando várias cenas de várias vítimas gritando sendo estripadas para nossa diversão, alegando em sua defesa que apenas pretendia comentar sobre o problema da violência no filme.”

Já a fundadora e presidente do grupo pró-vida Live Action, Lila Rose postou uma série de tweets argumentando que a divulgação do filme nos EUA infringiu a lei do país sobre “pornografia infantil”, porque o seu conteúdo “amplia descaradamente as partes sexuais de meninas enquanto elas dançam sugestivamente, parcialmente vestidas, para o público adulto, como uma ‘exploração’ sexual explícita”.

Escrevendo em seu blog no The American Conservative, o autor Rod Dreher concordou sexta-feira, observando que “se a diretora (que é mulher) pretende ou não, ela fez um filme que serve para nos acostumar à sexualização das crianças . “

“O problema com Cuties – e é o que destrói o filme – é estético e, em última análise, moral: ele envolve e demonstra com grande paixão aquilo que pretende condenar”, disse ele.

O estudioso judeu messiânico Michael Brown disse na quinta-feira que, à luz das tendências culturais atuais, ele não ficou chocado com o conteúdo de “Cuties” e que é necessário “um tempo de arrependimento total” por parte de todos.

“Não estou nem um pouco surpreso. Não quando uma música vulgar e sexualmente degradante pode ser o sucesso número um no país (e em outras nações). Não quando há uma epidemia de pornografia varrendo a terra, afetando os religiosos e não religiosos. Não quando nossos legisladores aprovam leis que protegem adultos sexualmente agressivos (que fazem sexo com adolescentes mais jovens). Não quando celebramos drag queens de 11 anos dançando em bares gays “, disse Brown.

Ele continuou que “não são apenas os críticos de cinema que estão doentes. Não são apenas aqueles que exploraram aquelas jovens em Cuties (isso inclui seus pais, que permitiram) que estão doentes. Não, nossa nação inteira está doente, se afogando em um mar de depravação.

“Em suma, ou temos um grande despertar espiritual e moral, ou perecemos.”

Folha Gospel com informações de Guia-me, LifeSiteNews, FaithWire, The Christian Today e The Christian Post