Cristãos durante culto na Nigéria
Cristãos durante culto na Nigéria

Em outro ataque brutal a cristãos na Nigéria, jihadistas Fulani fortemente armados invadiram uma vila no estado de Plateau, matando 10 cristãos, incluindo crianças de 4, 6 e 8 anos, e incendiaram 100 casas na manhã de sexta-feira, de acordo com relatórios.

Os pastores Fulani estavam vestidos de preto, carregando armas sofisticadas e gritando “Allahu Akbar” (Allah é o maior) quando atacaram a aldeia Ta’agbe no distrito de Miango por volta da 1h da sexta-feira, informou o órgão de vigilância da perseguição dos EUA International Christian Concern (ICC).

“Perdi meus netos por causa de Cristo”, disse uma sobrevivente, identificada como Sibi Gara, enquanto se recuperava em um hospital.

“Eu dormi na rua”, disse outro sobrevivente que perdeu seis parentes.

O ataque deslocou quase 700 pessoas, acrescentou o ICC, observando que o presidente nacional do Movimento Juvenil Irigwe foi citado como tendo dito que o ataque parecia ter como objetivo varrer os cristãos da área.

O governador do estado de Plateau, Simon Bako Lalong, condenou o ataque, dizendo: “… Nenhum recurso e esforço será poupado para seguir meticulosamente o rastro daqueles que se alegram em atacar e matar cidadãos inocentes e destruir suas casas e meios de subsistência”, de acordo com site nigeriano Day Break .

No entanto, muitos nigerianos manifestaram preocupação sobre o que consideram a inação do governo em responsabilizar terroristas pelo número crescente de assassinatos e sequestros.

Os críticos alertaram que a falta de ação do governo no Cinturão Médio pode levar a um “genocídio” religioso semelhante aos vistos em Darfur ou Ruanda. No entanto, o governo nigeriano rejeitou tais afirmações.

O grupo de vigilância da perseguição cristã, Portas Abertas dos EUA, classifica a Nigéria em 9º lugar em sua Lista Mundial da Perseguição de 2021 de países onde os cristãos enfrentam a perseguição mais severa. A Nigéria também é reconhecida como um “país de preocupação particular” pelo Departamento de Estado dos EUA por tolerar ou se envolver em violações graves da liberdade religiosa.

No início deste mês, o governo Biden removeu a Nigéria da lista do Departamento de Estado de “países de particular preocupação” (CPC, sigla em inglês), apesar das preocupações de que as comunidades agrícolas predominantemente cristãs continuam enfrentando violência crescente.

Embora a Nigéria tenha sido adicionada à lista do CPC em dezembro passado durante os meses finais do governo Trump, a lista do CPC deste ano não incluiu a Nigéria, embora a ICC tenha identificado o país africano como um de seus “Perseguidores do Ano de 2021” em um relatório publicado anteriormente este mês.

“Estamos preocupados com a omissão da Nigéria como um CPC”, disse o presidente da ICC, Jeff King, em um comunicado na época. “O governo nigeriano não fez quase nada para parar a violência contra os cristãos nigerianos, levando à contínua perseguição violenta. Em alguns casos, como aconteceu com o governador de Kaduna, El-Rufai, o governo nigeriano aumentou ainda mais a violência”.

“A Nigéria é um dos lugares mais mortíferos da Terra para os cristãos, com 50.000 a 70.000 mortos desde 2000”, afirma o relatório do Perseguidor do Ano da ICC.

De acordo com o ICC, os radicais Fulani “mataram mais cristãos nos últimos anos do que Boko Haram e desalojaram agricultores cristãos”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Comentários