Arqueólogo e teólogo Rodrigo Silva
Arqueólogo e teólogo Rodrigo Silva

Durante uma entrevista ao podcast “Inteligência Ltda”, o arqueólogo e teólogo Rodrigo Silva foi questionado sobre o fim dos tempos. Há sinais? Estamos no tempo do fim? A pandemia faz parte disso? O Anticristo já está entre nós? Como podemos saber em que tempo bíblico vivemos agora?

Rodrigo lembrou das palavras de Jesus, em Mateus 24, quando respondeu aos discípulos sobre os sinais de sua segunda vinda e sobre os alertas dados por ele para que ninguém fosse enganado.

“Jesus disse que ouviríamos falar de guerras e rumores de guerras, fomes e terremotos em vários lugares, mas que tudo isto indicaria o princípio das dores”, disse ao enfatizar que guerras, fomes e terremotos sempre existiram no mundo atual.

Ele aponta, então, para o último livro da Bíblia para ter mais pistas sobre o tempo do fim. “No livro de Apocalipse há elementos que indicam quando o fim for próximo. Embora, ninguém saiba o dia ou a hora da volta de Jesus, seria estupidez tentar adivinhar”, ressaltou.

“Podemos saber a proximidade dos tempos em que vivemos”

Para o arqueólogo existem algumas características bem peculiares que apontam que estamos bem próximos do tempo do fim. Para começar, ele indica a leitura de Apocalipse 11.18.

“As nações se iraram; e chegou a tua ira. Chegou o tempo de julgares os mortos e de recompensares os teus servos, os profetas, os teus santos e os que temem o teu nome, tanto pequenos como grandes, e de destruir os que destroem a terra”. (Apocalipse 11.18)

“Na época de Cristo não tinha como destruir a Terra. A profecia do Apocalipse fala de uma época em que a Terra pode ser destruída por seres humanos, algo que era impossível no século I”, esclareceu.

Depois fala das pragas de Deus que vão cair. “Elas não caíram ainda, mas os vislumbres delas podem estar batendo às portas”, disse ao lembrar do efeito estufa, problemas com a camada de ozônio, poluição e escassez de água. “Há previsões de que até 2025, o motivo das guerras no mundo será pela água”, alertou.

Sobre o Anticristo

“A Bíblia diz que ele vai dominar o mundo inteiro de maneira algorítmica e pacífica”, disse ao explicar que o 666 mostra que o Anticristo é uma espécie de versão de Cristo para as trevas.

“Ele [Anticristo] faz uma paródia de Cristo”, comparou ao citar que Deus instruiu aos judeus para carregar a lei na testa e na mão. “O Anticristo também vai colocar um sinal ou uma marca na testa e na mão. Isso aponta para uma época em que a lei de Deus vai ser questionada”, continuou.

Ele também lembrou que quando chegarmos a essa época determinada ninguém poderá comprar ou vender, a não ser que tenha a marca da besta e o número do seu nome.

“E muitos calculam que o nome Hitler dá 666, o Papa, Saddam Hussein, Bill Gates e tudo dá 666”, riu ao comentar sobre a forma como as pessoas tentam adivinhar o enigma.

“No grego diz que, aquele que tem entendimento ‘calcule’ e essa palavra quer dizer ‘faça contabilidade’ daquilo que o Anticristo vai fazer. Ele será a reconfiguração do Império Romano, que era o inimigo do povo de Deus”, advertiu.

Por que 666?

“Na cultura da Babilônia, o número 6 era base para qualquer cálculo, era um número divino. Quando Nabucodonosor ergueu uma imagem, ela tinha 60 côvados por 6. O 6 era um múltiplo divino”, detalhou.

E depois explicou: “Apocalipse diz que ele vai controlar a economia e que os povos da terra vão segui-lo. Ninguém poderá ir contra ele. E o que estamos vendo, pela primeira vez na história, é um cenário de unificação mundial. Parece até teoria da conspiração, mas não é”, sustentou.

Rodrigo observa que as pessoas argumentam no sentido de desmerecer essa realidade. “Mas as pessoas não estão entendendo. O que está acontecendo não significa uma unificação de mentes, mas de propósitos”, pontuou.

A pandemia e a unificação global

“Quer um exemplo de que o mundo pode se unir por um propósito, apesar de se odiar mutuamente? A pandemia. O Irã está usando máscara e Israel também está usando máscara”, e continuou dando exemplos, como israelenses e palestinos, egípcios, americanos e russos. “Todos estão usando álcool em gel”, igualou.

O teólogo disse que a unificação é possível e que depois que “o mundo parou” por causa da pandemia, a humanidade se deparou com um caminho sem volta. “Por que fala-se tanto em criptomoeda? Já estamos passando por uma transição do dinheiro”, citou um dos impulsionadores da unificação.

Deixando claro que se trata de uma “tendência”, Rodrigo também apontou que o mundo vai se unificar em nome de alguns “elementos que estão à solta como crianças bagunceiras numa casa cheia de objetos cortantes e letais e sem um adulto para controlá-las”.

Ao exemplo acima, o teólogo associou a internet. “Quem tem domínio sobre a internet? Você pode encontrar um bom podcast ou uma fórmula para o coquetel molotov [arma química incendiária usada em protestos e guerrilhas urbanas]. O camarada pode assediar você a fazer parte do Estado Islâmico”, disse ao reforçar que nem mesmo os EUA controlam a internet.

Além disso, citou o tráfico de drogas e de armas em nível mundial, lavagem de dinheiro, terrorismo, ecologia e até a bolsa de valores. “A economia do mundo não aguenta por mais 20 anos na mão da bolsa de valores que é especulativa. Estamos economicamente vulneráveis”, emendou.

Ao mencionar que leis mundiais deverão controlar a internet e todos os outros elementos citados, explicou que todos os países vão acabar se unindo. “Não porque eles se amam, mas porque não tem outro jeito”, observou.

O caminho para o Anticristo

Para o arqueólogo, todo esse cenário forma o caminho para o Anticristo. “E quando esse governo único se interpuser entre a minha fidelidade a Deus e a minha fidelidade ao Estado, será o único momento em que estarei diante da possibilidade de uma desobediência civil”, apontou.

Segundo Rodrigo, a Bíblia sempre deixou claro que devemos respeitar as autoridades constituídas e sermos bons cidadãos. “Mas, a Bíblia também diz, em termos filosóficos, que se a lei do governo for contra a lei de Deus, não podemos ceder, ao ponto de enfrentar a morte se preciso for”, disse.

E finalizou lembrando que as Escrituras mostram que muitos anticristos já passaram pelo mundo. “Naquele tempo o anticristo era Roma, conforme os exegetas. Eles explicam que Roma retornará travestida de cristã, tentando tomar o lugar de Deus para dominar o mundo”, compartilhou.

“A minha sugestão para todos é a seguinte: fiquem atentos às propostas governamentais. Eu vou seguir o que não infringir a minha fé, naquilo que eu entendo, pela Bíblia, ser o correto. Mas, se houver uma lei que se interpuser entre a minha fidelidade e aquilo que Deus pede de mim, aí eu estou disposto a enfrentar até a morte”, concluiu.

Fonte: Guia-me – Cris Beloni


Comentários