O estado do ídolo Diego Maradona se mantém estável e “sem complicações estranhas”, disse seu médico pessoal, Alfredo Cahe, no terceiro dia de sua internação por uma descompensação por álcool.

“Maradona está bem e estável e por hora não há ameaças, nem complicações estranhas”, disse o médico.

“Oxalá a mãos de Deus continue nos ajudando”, disse Cahe ao recorrer à frase dita por Maradona para explicar o gol que fez com a mão no jogo contra Inglaterra (2-1), pelas quartas-de-final da Copa do Mundo do México-1986, conquistada pela Argentina.

Cahe negou que Maradona corra risco de vida, mas admitiu que isso foi possível por tê-lo internado logo. “Foi bom nos termos antecipado porque, ao contrário, a situação seria diferente”, disse.

Maradona foi internado por um quadro de descompensação em conseqüência de excessos de álcool, charuto e alimentícios.

“Não houve alcoolismo. Houve álcool, comida, charuto, além de situações particulares e um alto grau de estresse. Tudo isso, em proporções maiores ou menores, contribuiu para que estivesse aqui nesse momento”, insistiu.

Cahe disse que Maradona permanecerá por mais de uma semana, mas não definiu a data de sua alta. “A idéia de ir à Suíça é genial, mas não é a hora. Sim em uma etapa posterior se ele concordar”, acrescentou.

“Do ponto de vista clínico, os problemas são um pouco hepáticos e desabituação ao consumo de álcool. Há muitas coisas que tratar ao mesmo tempo. É como se fosse uma hepatite, mas não é”, sustentou o médico.

Maradona sofre de uma hepatopatia crônica desde que contraiu uma hepatite B em 1981, quando jogava no Barcelona.

Fonte: AFP