Parlamento Europeu
Parlamento Europeu

Em 28 de novembro, o Parlamento Europeu adotou, de forma demonstrativa, uma resolução que faz um balanço da situação dos direitos humanos na Argélia.

Eles tomaram a palavra para denunciar a discriminação dos cristãos, o fechamento de igrejas e a prisão de manifestantes cristãos.

Os deputados europeus “condenam veementemente a prisão e detenção arbitrária e ilegal, ataques e intimidações de jornalistas, sindicalistas, advogados, estudantes, defensores dos direitos humanos e da sociedade civil e todos os manifestantes pacíficos que participam de manifestações”.

“Pedindo o fim das violações contra a liberdade de cristãos, ahmadis e outras minorias religiosas de culto, instamos as autoridades argelinas a desistirem de assédio judicial e legislativo, criminalização e prisões e detenções arbitrárias”, acrescentaram.

A ex-Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Federica Mogherini , fez um discurso no Parlamento Europeu no qual lembrou os princípios que a Argélia adotou, “em primeiro lugar na Constituição da Argélia, mas também com acordos internacionais e com o Acordo de Associação que a Argélia tem com a União Europeia ”.

“Esses princípios incluem todas as liberdades fundamentais , incluindo liberdades políticas, liberdade de expressão, direito a reunião pacífica e liberdade de imprensa, garantidas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. No momento atual, é importante que todos os atores da Argélia possam usufruir desses direitos”, destacou.

Mogherini garantiu que “a UE continuará a se envolver com todos os atores argelinos , como fizemos até agora, como vizinhos, como parceiros e como amigos. E estou certo de que este Parlamento acompanhará o trabalho da próxima Comissão a este respeito”.

O governo argelino “firmemente condenou e rejeitou em substância e forma a flagrante interferência do Parlamento Europeu em seus assuntos internos”.

“O Parlamento Europeu, instigado por um grupo de deputados de diversas filiações partidárias, arrogantemente tomou a liberdade de se pronunciar sobre o atual processo político em nosso país neste momento em que os argelinos se preparam para eleger um novo presidente em plena democracia e transparência ”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Argélia em comunicado.

Desde que o governo argelino iniciou uma campanha para fechar os locais de culto protestante há um ano, os cristãos protestantes testemunharam como pelo menos 12 das cerca de 50 igrejas cristãs do país foram fechadas.

As autoridades dizem que a campanha é justificada pela lei de 2006 para locais de culto não muçulmanos , conhecida como ordem 03-06, que força os cristãos e outros grupos religiosos minoritários a obter uma licença especial.

“Eles podem fechar nossos templos, mas nunca podem fechar os corações que estão recebendo a Cristo (…) Cadeiras, microfones podem ser tirados de nós, eles não nos dão vistos, mas nunca tirarão Cristo de nossos corações”, disseram líderes cristãos.

Folha Gospel como informações de Evangelical Focus