Pastor David Lah foi condenado a prisão por realizar culto durante pandemia em Mianmar

Um tribunal em Mianmar condenou um pastor canadense a três meses de prisão depois que ele realizou serviços religiosos pessoalmente em desafio à proibição imposta pelo governo de reuniões em massa.

O pastor David Lah, 43, e seu colega, o nacional de Mianmar, Wai Tun, foram acusados ​​em abril de violar a Lei de Gestão e Desastres Naturais de Mianmar ao realizar cultos na cidade de Yangon, informou a AFP. Embora morasse em Toronto, Lah nasceu em Mianmar e costuma retornar à sua terra natal para pregar.

Na quinta-feira, os dois homens foram condenados por violar as regras administrativas e receberam uma sentença de três meses de trabalhos forçados, disse Maung Soe, juiz do tribunal de Mayangone Township de Yangon, a repórteres.

“O juiz também levou em consideração o tempo que já passou na detenção, então ele pode muito bem ser solto nos próximos dias ou semanas”, disse Florence Looi, da Al Jazeera, em seu relatório da capital da Malásia, Kuala Lumpur. 

Mianmar impôs a proibição de reuniões em massa em meados de março em resposta ao novo coronavírus. No entanto, surgiram imagens no início de abril de Lah realizando um culto em Yangon.

“Se as pessoas segurarem a Bíblia e Jesus em seus corações, a doença não chegará”, disse ele, de acordo com o vídeo do evento. “A única pessoa que pode curar e dar paz nessa pandemia é Jesus.”

Semanas depois, cerca de 20 pessoas conectadas a seus encontros testaram positivo para o novo coronavírus, incluindo o pastor Lah. No entanto, é possível que os participantes tenham contraído o vírus em outro lugar.

O pregador foi preso depois de se recuperar da doença em maio e pode pegar até três anos de prisão. Na quinta-feira, uma multidão de seguidores do pastor comemorou com gritos a notícia de sua sentença reduzida, de acordo com a AFP.

A International Christian Concern (ICC, sigla em inglês), órgão cristão que combate a perseguição religiosa, relatou anteriormente que, por causa das ações de Lah, muitos cristãos em Mianmar “enfrentam críticas e sentem hostilidades em relação a eles no país de maioria budista”.

“Os líderes cristãos apelaram aos cidadãos para trabalharem juntos para lutar contra o COVID-19 em unidade e amor, enquanto o sentimento anticristão surge nas redes sociais”, disse o ICC. “Eles também pediram às pessoas que não postassem e compartilhassem notícias, fotos e vídeos falsos no Facebook que possam ser ofensivos à religião”.

A Missão Portas Abertas classifica Mianmar em 19º lugar na Lista Mundial da Perseguição de 2020 dos países onde é mais difícil ser cristão. 

As restrições do governo a locais de culto após a COVID-19 geraram polêmica nos últimos meses, com alguns pastores acusando líderes civis de “usurpar um papel que eles não têm”.

O Pastor da Megachurch Ed Young disse anteriormente que embora a questão seja “complexa”, as ramificações espirituais de se recusar a se encontrar superam o “exagero” da pandemia de coronavírus.

“Veja a nossa cultura. Há tanta coisa acontecendo espiritualmente agora, especialmente entre os jovens que enfrentam depressão, ansiedade e  tentativas de suicídio ”, disse o pastor do Texas. “Eu contei o custo de não abrir nossa igreja versus abrir, e acredito que risco e fé andam de mãos dadas. É fundamental reabrir igrejas.”

Apenas 12% dos americanos disseram que compareceram a um templo religioso de meados de junho a meados de julho, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center. Entre os protestantes evangélicos, uma maioria de 62% diz que as casas de culto devem obedecer aos mesmos padrões de outras empresas e organizações.

Folha Gospel com informações de The Christian Post