O pastor da Igreja Universal teria feito uso indevido de verbas de seu gabinete para custear despesas de sua esposa durante viagens oficiais.

O pastor da Igreja Universa Saulo Rodrigues (PRB), vereador em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, esteve no centro de uma denúncia sobre uso indevido de verbas de seu gabinete, que foram usadas para custear despesas de sua esposa durante viagens oficiais.

A denúncia foi realizada pelo jornal local A Cidade no início de dezembro passado, e na penúltima semana do mesmo mês o pastor ressarciu os cofres da Câmara Municipal da cidade.

[img align=left width=300]http://noticias.gospelmais.com.br/files/2014/01/pastor-saulo-rodrigues-200×129.png[/img]Segundo reportagem do jornal, o valor corresponde a 50% dos gastos feitos pelo pastor/vereador durante viagens oficiais. Dos R$ 5,7 mil gastos por ele, R$ 3,7 referem-se a seis viagens feitas por Saulo ao lado da esposa, Cássia Camargo da Silva, a São Paulo e Brasília.

O valor que o vereador deveria ressarcir aos cofres públicos foi fixado pela Coordenadoria Jurídica da Câmara. De acordo com Antônio Carlos Augusto Gama, coordenador jurídico do Legislativo, é “inviável apurar qual o valor do montante de R$ 5,7 mil deve ser restituído”, e portanto, o valor definido pelo setor de contabilidade foi a metade, já que eram despesas de duas pessoas.

“Tendo em vista que o próprio vereador se predispôs a devolver os eventuais valores que forem apontados como impróprios e ante a impossibilidade de sua apuração precisa, recomenda-se a devolução de metade do montante gasto, pressupondo-se que os valores teriam sido gastos por duas pessoas”, disse Gama.

Entretanto, o cientista político Maximiliano Martin Vicente entende que o vereador deveria devolver o valor total, R$ 3,7 mil, gasto nas viagens ao lado de sua esposa: “Ao devolver apenas R$ 2,8 mil, o vereador ainda saiu em vantagem. O caso cheira um ‘acordo amigável’ na Câmara”.

A devolução dos valores por parte do vereador evita que a Câmara abra um processo disciplinar contra ele. Porém, o Ministério Público pretende intimar Saulo Rodrigues para prestar depoimento em inquérito que vai apurar se houve improbidade administrativa, que é o mau uso do dinheiro público.

“Eu errei, vou devolver o dinheiro ‘de volta’ (sic) para a Câmara. Peço desculpas ao povo de Ribeirão”, disse o pastor/vereador em publicação numa rede social.

[b]Fonte: Gospel+[/b]