O presidente da Comissão para a Igualdade Racial britânica, Trevor Phillips, advertiu que a polarização no debate sobre o uso do “niqab” (véu facial) pelas mulheres muçulmanas poderia desencadear distúrbios de rua no Reino Unido.

Em artigo publicado neste domingo no jornal dominical “The Sunday Times”, Phillips defende um debate “civilizado” sobre questões raciais.

“Todas as provas recentes demonstram que, como sociedade, estamos cada vez mais polarizados socialmente por questões de raça e religião”, considera.

Para Phillips, as divisões geradas na recente polêmica sobre o uso do véu correm o risco de se transformar no “estopim” que pode desencadear a “penosa espiral que produziu distúrbios nas ruas há cinco anos no norte da Inglaterra”.

A polêmica em torno do “niqab” começou este mês, quando o líder da Câmara dos Comuns, o ex-ministro de Assuntos Exterior Jack Straw, convidou as muçulmanas de sua circunscrição eleitoral a retirar o véu em suas reuniões com ele para tratar de assuntos locais.

Em artigo publicado em um jornal local, Straw – deputado por Blackburn (norte inglês), onde 30% da população é muçulmana – assinalou que o véu representa uma “afirmação visível de separação” entre dois interlocutores.

Poucos dias depois, uma professora muçulmana foi suspensa por recusar-se a retirar o “niqab” em um colégio do norte da Inglaterra.

Aishah Azmi, de 24 anos, perdeu o processo por discriminação religiosa e assédio por suas crenças apresentado a um tribunal trabalhista, que apenas ordenou às autoridades educacionais que paguem 1.100 libras (US$ 2.100) à mulher por “ferir seus sentimentos” pela forma como trataram o caso.

Fonte: EFE