Franklin Graham, evangelista americano, filho do saudoso Billy Graham
Franklin Graham, evangelista americano, filho do saudoso Billy Graham

Um terceiro local no Reino Unido cancelou uma aparição do evangelista Franklin Graham, curvando-se à pressão dos ativistas LGBTQ e seus aliados. 

O Scottish Event Campus de Glasgow (SEC) Hydro retirou a reserva de Graham por ordem de seu principal acionista, o Conselho da Cidade de Glasgow, segundo o Glasgow Times .

Susan Aitken, vereadora do Partido Nacional Escocês e líder local disse ao jornal que permitir que Graham fale pode violar as leis do discurso de ódio do Reino Unido.

“O relato das maneiras pelas quais Graham expressa suas opiniões deixa claro que isso não se trata simplesmente de ofensa ou desacordo. Também não é um debate sobre liberdade de expressão”, disse Aiken. 

“Como ele expressa seus pontos de vista poderia, fundamentalmente, violar os deveres legais de igualdade do conselho”, continuou ela. 

O jornal informou que grande parte da raiva dirigida a Graham por parte do Reino Unido vem de seus comentários anteriores sobre direitos dos homossexuais, do Islã e de seu apoio ao presidente Donald Trump. 

No início desta semana as cidades britânicas de Sheffield e Liverpool cancelaram seus contratos com Graham, 67 anos, presidente e CEO da Associação Evangelística Billy Graham (BGEA) e da Samaritan’s Purse, uma organização internacional de ajuda cristã. 

Enquanto um local onde o Liverpool negou o acesso a Franklin Graham, a BGEA disse à CBN News que um evento do Liverpool ainda ocorrerá em outro local que ainda será determinado.

A conferência evangelística de oito dias de Graham no Reino Unido estava programada para começar em Glasgow em maio.

Pauline Gallagher, da Catholic Family Voice, disse à LifeSiteNews  que estava “triste” por o evangelho protestante ter sido barrado em sua cidade.

“Estou triste porque o filho de Billy Graham foi proibido de falar em Glasgow”, disse Gallagher. “A linha divisória não é entre religiosos e LGBT. É entre pessoas razoáveis ​​e irracionais”.

Graham respondeu ao que considera ser o esforço contínuo para impedi-lo de pregar o evangelho de Jesus Cristo no Reino Unido.

“Há algum tempo eu planejo vir e pregar o Evangelho em oito cidades do Reino Unido em 2020”, disse ele à revista Newsweek . “Centenas de igrejas estão trabalhando com o Graham Tour UK e orando por esses eventos.”

“Algumas pessoas disseram que vou trazer um discurso de ódio ao Reino Unido, mas isso não poderia estar mais longe da verdade”, afirmou. “Estou vindo para o Reino Unido para falar sobre o amor de Deus através de Seu Filho Jesus Cristo. Jesus não veio para condenar o mundo – Ele veio para salvá-lo. O Evangelho é atemporal, e os cristãos que acreditam na Bíblia no Reino Unido proclamaram por séculos “.

Graham disse que acreditava que ele e outros evangélicos estavam sendo “discriminados por causa de nossas crenças religiosas”.

“O cancelamento de contratos com base nas demandas de um grupo, sem considerar os pontos de vista e os direitos dos cristãos que contrataram o local, incluindo os pontos de vista de milhares de outros cristãos que o apoiam e que seriam impactados negativamente, fazem muito mais para prejudicar e dividir a sociedade do que simplesmente deixar os eventos continuarem como planejado “, afirmou.

“Deve-se notar que os cristãos estão protegidos pela Lei da Igualdade de 2010 e pela Lei dos Direitos Humanos de 1998 contra a discriminação ilegal e têm o direito de exercer e manifestar livremente nossas crenças religiosas”, disse ele. “É nossa esperança que os locais permitam que os contratos permaneçam inalterados”.

O evangelista disse que queria “convidar todos a vir e ouvir por si mesmos a mensagem do Evangelho que eu compartilharei da Palavra de Deus. Todos são absolutamente bem-vindos, independentemente de suas crenças ou antecedentes”.

Folha Gospel com informações de CBN News