Ator e cineasta David A.R. White, do filme
Ator e cineasta David A.R. White, do filme "Deus Não Está Morto"

A sequência do filme “Deus Não Está Morto” teve sua pré-estreia em São Paulo na noite da última terça-feira (14) com a presença do protagonista David A. R. White, que interpreta o pastor Dave na trama.

Com estreia oficial no dia 30 de agosto, “Deus Não Está Morto: Uma Luz Na Escuridão” tem como cenário central o incêndio da Igreja de Saint James, usado pela universidade vizinha Hadleigh University como motivo para retirar a congregação do campus.

O longa foi produzido pela Pure Flix, na qual David A. R. White é um dos fundadores. Em uma sessão exclusiva que reuniu artistas e líderes cristãos, o ator iniciou seu discurso com a frase mais marcante do filme: “Deus é bom o tempo todo, o tempo todo Deus é bom”.

“O primeiro Deus Não Está Morto mostrou a fé sendo testada na faculdade. O segundo mostrou a verdade sendo testada em um local público. A pergunta era: continuaríamos pelo mesmo caminho ou vamos sair desse cenário de debate?”, disse White ao público, destacando o que difere o atual filme dos outros.

“Em nosso país (EUA), há muitas lutas acontecendo. Temos a esquerda e a direita; todos estão gritando e ninguém escuta. Como levamos cura a uma nação quebrada? Para nós, esse filme é sobre trazer unidade. Só há um caminho para essa unidade: por meio de Jesus Cristo. Só uma palavra pode trazer cura para os nossos corações quebrados e para todas as nações: amor”, completou White.

Ygor Siqueira, fundador da produtora e distribuidora 360 WayUp, responsável por lançar o longa no Brasil em parceria com a California Filmes, também destacou a nova abordagem da terceira sequência. “O terceiro é fantástico, porque mostra a realidade que vivemos, essa luta política entre religião e Estado. Também mostra que a igreja tem que ser estratégica, ir na escuridão e ser luz”, disse ele ao Guiame.

Ele ainda incentivou as pessoas a irem às salas de cinema logo após 30 de agosto, na primeira semana de estreia. “Todo filme no Brasil estreia às quintas feiras. Temos de quinta a domingo para gerar bilheteria, porque na segunda-feira todos os filmes são avaliados, e aqueles que não deram bilheteria saem de cartaz”, justifica Ygor.

Diante do tema do filme, Mauro Henrique, vocalista da banda Oficina G3, acredita que é preciso ser luz através das atitudes. “Eu venho de uma banda evangelística, que sempre esteve fora da igreja para levar Deus às pessoas. Quando saímos da nossa zona de conforto, conseguimos visualizar o quanto precisamos atingir essas pessoas — nunca de forma invasiva, mas mostrando amor através da nossa atitude, muitas vezes sem nem precisar falar”, disse ao Guiame.

Mauro Henrique, vocalista da banda Oficina G3. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
Mauro Henrique, vocalista da banda Oficina G3. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)

O humorista Daniel Araújo também vincula a influência do cristão no mundo a seu caráter. “Ser luz na escuridão não é o que você fala, veste ou consome, mas é você refletir o caráter de Cristo, que não julgou, não apedrejou e perdoou. Quem convence é o Espírito Santo, não somos nós. Muitas vezes queremos forçar as pessoas a serem iguais a gente, mas cada um tem um tempo. Ser luz na escuridão também é respeitar o tempo e o entendimento do outro”, esclarece.

Já o autor e cartunista Rubinho Pirola observa que o desafio dos cristãos é transmitirem sua mensagem além do discurso. “É muito comum pensarmos que a pregação tem a ver com muita falação. Os debates são importantes, mas o grande desafio continua sendo o testemunho no varejo — manifestarmos o caráter de Cristo de pessoa a pessoa. Manifestarmos tudo aquilo que cremos em nossas ações, em nossa pregação como estilo de vida”, avalia.

Fonte: Guiame