Silas Malafaia abraçado com o presidente Jair Bolsonaro
Silas Malafaia abraçado com o presidente Jair Bolsonaro

O pastor Silas Malafaia fez uma convocação geral em seu Twitter. Apoiador do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), Malafaia propôs um jejum “pela nação” no próximo dia 1º de setembro, da 0h às 12h. A mensagem que acompanha a convocação diz: “Quando o povo de Deus ora e jejua alguma coisa acontece”.

Nos comentários, alguns internautas mostraram apoio ao pastor e a Bolsonaro. No entanto, muitos criticaram a ação e ironizaram Malafaia por considerarem que o jejum seria em prol de Bolsonaro e pela manifestação a favor do presidente no dia 7 de setembro, e não pelo país.

Veja algumas das críticas:

“O povo não precisa fazer jejum, pq ultimamente já não está tendo nada para comer, enquanto isso políticos ostentando com dinheiro público. Belo ato”, escreveu um internauta.

“FICA TRANQUILO PASTOR, TEM 20 MILHOES DE PESSOAS FAZENDO JEJUM POR CAUSA DO BOLSONARO!”, postou o administrador de um perfil que ironiza bolsonaristas.

“Deus não participa de golpe político, jejum em vão”, disse outro. “Já tem 10 milhões de Brasil fazendo jejum passando fome no desgoverno do genocida”, afirmou uma usuária.

“O povo, principalmente os mais pobres,já estão fazendo jejum, desde o início desse desgoverno da morte e da incompetência, que vc por interesses escusos,apoia. Agora é jejum? Parece que as prisões de Bob Jef e outros fascistas te fizeram colocar as barbas de molho né medroso?”, disse internauta.

“O Brasil com cerca de 19 milhões de pessoas passando fome e o canalhafaia, ops, malafaia pedindo pra turma dele fazer jejum no dia 1 de setembro. Um escárnio”, disse outro internauta.

“Seis em dez brasileiros já fazem jejum imposto pelo governo… Temgentecomfome”, postou mais um internauta.

“Façam jejum que eu vou pra Dubai”, disse um internauta que postou uma foto de Malafaia e sua esposa em Dubai.

“Que tal uma campanha para levar comida para quem está passando fome graças ao governo que vc apoia incondicionalmente?”, perguntou outro.

Houve também um internauta que questionou o horário do ato. “O cara é espertinho…jejum da 0 as 12? Acorda as 9 e faz tres horas de jejum?”, perguntou.

Estas são apenas algumas das inúmeras críticas ao jejum proposto pelo pastor líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Brasil com fome

Cerca de 41% da população brasileira, ou 84,9 milhões de pessoas, convivem com fome ou algum grau de insegurança alimentar. Os números são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE.

Dessa parcela brasileira, 27% vivem com insegurança alimentar leve, quando há preocupação ou incerteza quanto ao acesso aos alimentos no futuro, além de perda na qualidade dos alimentos a fim de não comprometer a quantidade de alimentação consumida.

Já a população residente em domicílios com insegurança alimentar moderada ou grave, onde a qualidade e a quantidade desejadas em relação aos alimentos já estavam comprometidas, o percentual é de 13,9%. Nessa situação, a fome passa a ser uma experiência vivida no domicílio.

Como os dados são anteriores ao período da pandemia, a tendência é que a dificuldade para garantir alimentação de qualidade e quantidade (segurança alimentar) esteja ainda maior.

Isso porque o desemprego bateu recorde e o país se recupera lentamente da sua pior recessão. Apesar da manutenção do auxílio emergencial às famílias, o valor menor do programa neste ano frente ao avanço da inflação não reduz o difícil acesso à compra de itens básicos, como alimentos, sobretudo pelos mais pobres.

Folha Gospel com informações de Último Segundo e Twitter