O presidente chinês Xi Jinping fala durante a sessão de abertura do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China no Grande Salão do Povo em Pequim em 18 de outubro de 2017. | (Foto: REUTERS / Aly Song)
O presidente chinês Xi Jinping fala durante a sessão de abertura do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China no Grande Salão do Povo em Pequim em 18 de outubro de 2017. | (Foto: REUTERS / Aly Song)

O vento está mudando para a China, à medida que cada vez menos países democráticos aceitam ser intimidados pela ameaça de retaliações comerciais se falarem sobre o péssimo histórico de direitos humanos de Pequim.

A Alemanha já publicou uma lista de signatários de um documento lido em 6 de outubro nas Nações Unidas em Nova York. O grupo de 39 países que assinaram a carta inclui: Albânia, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Canadá, Croácia, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Haiti, Honduras, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, República das Ilhas Marshall, Mônaco, Nauru, Reino dos Países Baixos, Nova Zelândia, Macedônia do Norte, Noruega, Palau, Polônia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos, além da própria Alemanha.

A presença de países que não assinaram documentos semelhantes no passado, incluindo a Itália, é significante. Talvez uma viagem muito difamada recente pela Europa do Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, tenha dado frutos, afinal.

O documento enfoca a situação dos direitos humanos em Xinjiang e em Hong Kong, e também menciona o Tibete e a perseguição religiosa na China em geral. Menciona que, “em junho de 2020, 50 titulares de mandatos de Procedimentos Especiais da ONU emitiram uma carta excepcional de preocupação, apelando à República Popular da China para respeitar os direitos humanos”.

Os 39 países compartilham suas preocupações e “exortam a China a respeitar os direitos humanos, particularmente os direitos das pessoas pertencentes a minorias religiosas e étnicas, especialmente em Xinjiang e no Tibete”.

Os 39 países denunciam a existência em Xinjiang do que chamam de “uma grande rede de campos de‘ reeducação política’, onde denunciam que mais de um milhão de pessoas foram detidas arbitrariamente. Temos visto um número crescente de relatos de graves violações dos direitos humanos. Existem severas restrições à liberdade de religião ou à liberdade de movimento, associação e expressão, bem como à cultura uigur. A vigilância generalizada continua a visar desproporcionalmente os uigures e outras minorias e mais relatórios estão surgindo sobre o trabalho forçado e o controle de natalidade forçado, incluindo esterilização”.

Um grupo de especialistas da ONU, afirma o documento, também concluiu que “uma série de normas da Lei de Segurança Nacional de Hong Kong não está em conformidade com as obrigações internacionais da China”.

Os 39 países expressam “profundas preocupações sobre os elementos da Lei de Segurança Nacional que permitem que certos casos sejam transferidos para julgamento no continente chinês”. Eles “exortam como autoridades competentes a garantia os direitos protegidos pelo PIDCP e pela Declaração Conjunta Sino-Britânica, incluindo liberdade de expressão, imprensa e reunião”.

O documento pede à China que “permita o acesso imediato, significativo e irrestrito a Xinjiang para observadores independentes, incluindo a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos e seu Gabinete, e detentores de mandatos de procedimentos especiais relevantes” e ponha fim à “detenção arbitrária de uigures e membros de outras minorias”.

O documento também exorta a China a “defender a autonomia, os direitos e as liberdades em Hong Kong e a respeitar a independência do poder judiciário de Hong Kong”.

Por fim, o documento trata da situação de quem foge da perseguição na China e busca asilo no exterior. O texto também adverte que todos os países do mundo devem “respeitar o princípio de não repulsão”, o que significa que os refugiados da China não devem ser enviados de volta a um país onde serão detidos e perseguidos. Parece razoável esperar que agora os 39 signatários comecem a respeitar este princípio eles jurídicos.

Fonte: Guia-me com informações de Bitter Winter