Papa Bento XVIO porta-voz vaticano, Federico Lombardi, denunciou, neste sábado, 13 de março, a existência de uma tentativa “fracassada” de envolver o papa Bento XVI nos casos de pedofilia da Igreja Católica da Alemanha.

Em comunicado divulgado hoje no site da “Rádio Vaticano”, o porta-voz da Santa Sé reiterou que Joseph Ratzinger não sabia do caso do quando autorizou que um sacerdote com antecedentes de pedofilia e que tinha sido expulso por esse motivo do bispado da cidade alemã de Essen, conduzisse atividades pastorais em Munique.

O incidente, na década de 80, veio à tona ontem, publicado pelo jornal alemão “Süddeutsche Zeitung”.

“É evidente que nos últimos dias alguém buscou, até com certo empenho em Regensburg e em Munique, elementos para implicar pessoalmente o Pontífice nos casos de abusos. Para qualquer observador objetivo, está claro que estes esforços fracassaram”, afirmou Lombardi.

“Apesar da tempestade, a Igreja vê um bom caminho a ser seguido. Como já tivemos oportunidade de observar, esperamos que este tormento possa ajudar toda a sociedade a melhorar proteção e formação da infância e da juventude”, acrescenta.

A informação divulgada ontem pelo jornal alemão veio depois de Bento XVI se reunir no Vaticano com o chefe dos bispos da Alemanha, Robert Zollitsch.

O religioso foi convocado pelo papa para informar em primeira mão sobre os casos de abuso ocorridos nas décadas de 1970, 1980 e 1990. Estima-se que mais de 350 crianças foram abusadas.

O presidente da Conferência Episcopal Alemã também se reuniu com a Congregação para a Doutrina da Fé, que estuda adotar novas normas em todo o mundo para enfrentar os escândalos dos padres pedófilos.

O porta-voz do Vaticano afirmou que a linha de Ratzinger para lidar com a pedofilia sempre foi “a do rigor e da coerência”, enfrentando as situações mais difíceis também em sua época como responsável da Congregação para a Doutrina da Fé.

Fonte: EFE