Em audiência nesta sexta-feira, em Roma, o papa Bento 16 classificou como “inesquecível” a viagem que fez ao Brasil neste ano. O encontro contou com a presença de cardeais, membros da Cúria Romana e representantes do governo da cidade do Vaticano.

Durante a reunião, agendada para os cumprimentos de Natal, Bento 16 reservou mais de 50% do seu discurso para falar dos dias em que esteve nas cidades de São Paulo e Aparecida, entre 9 e 13 de maio. Para o pontífice, esse foi o primeiro evento de destaque no balanço das realizações de 2007.

O papa relatou aos presentes alguns dos momentos da viagem que considerou culminantes, como o encontro com os jovens no estádio do Pacaembu, onde todos “se reuniram com grande felicidade interior em uma experiência viva de comunhão”, de acordo com Bento 16.

Segundo o pontífice, ao contrário das manifestações de massa que servem somente para auto-afirmação, o encontro “se transformou na força para aceitar a vida de um modo novo”.

Frei Galvão

Bento 16 também classificou como inesquecível o dia em que canonizou o Frei Galvão, ao lado de bispos, sacerdotes, religiosos e fiéis laicos.

Para o pontífice, o frei foi “um filho do Brasil, proclamado santo pela Igreja universal”.

As horas que passou na Fazenda da Esperança, que abriga dependentes de drogas, também são lembradas com “particular vivacidade”, segundo Bento 16.

“Ali, na Fazenda da Esperança, os confins do mundo são verdadeiramente superados e se abre um olhar para Deus, para a vastidão da nossa vida”, afirmou o papa.

“A todos que ali operam, dirijo meu sincero agradecimento, e a todos que ali buscam restabelecimento, a minha sincera bênção.”

O papa ainda recordou o encontro com os bispos brasileiros na catedral de São Paulo. Para ele, a música tocada naquele momento é “inesquecível”.

Segundo Bento 16, a experiência da “colegialidade efetiva e afetiva” com o episcopado brasileiro é uma prova da alegria do catolicismo.

Aparecida

No final do balanço sobre a viagem ao Brasil, o pontífice lembrou os momentos que passou em Aparecida e a Conferência Geral dos Bispos da América Latina e do Caribe.

O pontífice ressaltou que ficou particularmente “tocado pela pequena imagem de Nossa Senhora”. “Mediante a fé e o amor dos pobres, foi formado em torno desta figura o grande santuário que, remetendo sempre à pobreza de Deus, à humildade da Mãe, constitui dia-a-dia uma casa e um refúgio para as pessoas que rezam e esperam”, afirmou.

Durante a audiência desta sexta-feira, Bento 16 também recordou a carta enviada em outubro por 138 líderes religiosos muçulmanos, que apresentavam um pedido por paz no mundo.

O papa afirmou estar comprometido com a defesa dos valores recíprocos do diálogo e da colaboração.

Bento 16 também lembrou a mensagem enviada aos bispos, presbíteros, pessoas consagradas e fiéis laicos da Igreja Católica da República Popular da China.

No documento, o pontífice indicou a disponibilidade da Santa Sé em dialogar com as autoridades civis para encontrar uma solução aos problemas da comunidade católica no país.

Fonte: Folha Online