YouTube
YouTube

O YouTube está censurando um vídeo de uma pediatra que critica abertamente os remédios transgêneros, principalmente cirurgias nas quais os órgãos reprodutivos são removidos.

Um vídeo de 2017 do Daily Signal , um canal conservador, com a Dra. Michelle Cretella, do American College of Pediatricians, falando contra práticas médicas que confundem as crianças sobre seu sexo biológico, foi recentemente removido da plataforma de streaming de vídeo.

Durante o vídeo , Cretella elabora as abordagens para tratar a confusão de gênero em grande parte da medicina, apontando a diferença entre distúrbio de integridade corporal e disforia de gênero.

“Veja, se você quer amputar uma perna ou um braço, está doente mental, mas se deseja retirar seios ou pênis saudáveis, é transgênero”, ela brinca no vídeo.

Essas foram as palavras que violaram a política do YouTube sobre “discurso de ódio”, informou o Daily Signal, e a única maneira de permitir que o vídeo voltasse à plataforma era deletar essa frase.

“Em outras palavras, tínhamos duas opções: censurar as palavras do médico ou não ter vídeo na maior plataforma de vídeo do mundo”, afirmou o jornal nesta terça-feira.

“Estamos especialmente decepcionados com a decisão do YouTube, porque outras plataformas de mídia social permitiram o vídeo em suas plataformas. De fato, o vídeo tem mais de 70 milhões de visualizações no Facebook. Poderia ter ainda mais se o Facebook não tivesse removido temporariamente em julho de 2018. Após nosso apelo ao Facebook, ele foi restaurado rapidamente e permanece na página do The Daily Signal hoje.”

Em um e-mail para o Christian Post, Cretella disse que estava realmente agradecida pelas ações do YouTube, porque revela o quão arraigada a ideologia se tornou em organizações supostamente profissionais.

“Quero agradecer ao YouTube por revelar de uma vez por todas que este vídeo não foi censurado por conter ‘discurso de ódio’, mas por uma frase que demonstrou o quão politizadas nossas associações médicas e psicológicas se tornaram”, disse Cretella.

“Além disso, se eu não tivesse sido injustamente censurada, não teríamos uma desculpa para atualizar o vídeo original e relançá-lo para mais informações”.

Ela acrescentou: “Vamos todos responder como o Daily Signal, e talvez então os verdadeiros valentões parem e desistam”.

O Daily Signal concluiu na terça-feira que “censurar um(a) médico(a) não coloca o YouTube no lado direito da história. Apenas mostra que é uma grande empresa de tecnologia que prioriza as preferências do ativista que em detrimento da liberdade de expressão para todos”.

As críticas à ideologia de gênero e aos tratamentos médicos associados a ela, sendo consideradas um tópico fora dos limites e digno de censura, não se restringem às plataformas on-line e aos utilitários de mídia social.

A Dra. Michelle Cretella, diretora executiva do conservador American College of Pediatricians, discursa durante um painel de discussão no escritório da Heritage Foundation em Washington, DC em 11 de outubro de 2017

Em abril, após uma decisão da Suprema Corte da Colúmbia Britânica de fevereiro que permitiu que uma menina de 14 anos, Maxine (não é seu nome verdadeiro), começasse a usar drogas para fazer a transição e parecer mais masculina, o tribunal emitiu uma “ordem de proteção” em uma tentativa de impedir o pai (conhecido como Clark) de continuar a se referir pública ou privadamente à filha como mulher.

A ordem judicial e um documento relacionado justificaram que, ao se referir à criança como sexo biológico e pronomes femininos, o pai cometera “violência familiar”. O juiz decidiu que se o pai não cumprisse a ordem, ele poderia ser preso.

“Qualquer oficial de paz, incluindo qualquer oficial da [Polícia Montada do Canadá], com jurisdição na província da Colúmbia Britânica, que tenha motivos razoáveis ​​e prováveis, acreditando que o entrevistado … violou os termos deste pedido, pode prender imediatamente essa pessoa e leva-la a um juiz da Suprema Corte imediatamente após a prisão, para ser investigado para determinar se ele cometeu uma violação desta ordem ou se está desrespeitando a corte”, diz a ordem.

Folha Gospel com informações de The Christian Post