Domínio total de pastor sobre membros da igreja (Ilustração)
Domínio total de pastor sobre membros da igreja (Ilustração)

Uma nova pesquisa da LifeWay revela que os fiéis evangélicos/protestantes têm sentimentos mistos sobre a capacidade de sua igreja de lidar com a má conduta sexual quando isso acontece dentro de suas congregações.

Os dados também mostram que aproximadamente 10% das pessoas que frequentavam a igreja deixaram de ir porque ou sentiram que o abuso sexual não foi levada a sério ou porque não se sentiam seguras diante da situação.

O “Estudo sobre Fiéis e a Má Conduta Sexual” foi conduzido pela LifeWay Research e patrocinado pela LifeWay Christian Resources.

A pesquisa consistiu em questionários online com 1.815 americanos começando no final de fevereiro e concluindo 8 de abril.

Os entrevistados foram selecionados para incluir adultos cuja preferência religiosa fosse algum tipo de denominação protestante – os Batistas do Sul foram fortemente amostrados – e que frequentam os cultos pelo menos uma vez por mês.

Nenhum deles foi perguntado se eles tinham experimentado pessoalmente abuso sexual ou agressão sexual devido a obrigações legais relacionadas a esses questionamentos.

O estudo descobriu que quase um terço dos fiéis protestantes acredita que muitos pastores protestantes abusaram sexualmente de crianças ou adolescentes; 37 por cento discordam dessa conclusão; outros 31% indicaram que não sabiam.

Da mesma forma, 29 por cento dos entrevistados disseram que existem muito mais casos não descobertos de pastores protestantes que atacam sexualmente, enquanto 41 por cento discordaram e 30 por cento disseram que não sabiam.

Os resultados de 2019 refletem os resultados de pesquisas em anos anteriores.

“Entre as pessoas que atualmente frequentam a igreja, poucos disseram que pararam de comparecer por causa de questões relacionadas à má conduta sexual”, disse Scott McConnell, diretor executivo da LifeWay Research, em um comunicado.

“Isso não mede, no entanto, quem saiu devido a esses problemas e voltou para qualquer igreja desde então”.

Pouco menos da metade de todos os fiéis protestantes entrevistados disseram que foram vítimas de brincadeiras sexuais indesejadas, mensagens sexuais não solicitadas, elogios indesejados e olhares inapropriados. Doze por cento desses entrevistados disseram que suportaram essas coisas indesejáveis ​​enquanto estavam na igreja.

A grande maioria acha que suas igrejas estão preparadas para lidar com questões de abuso sexual e confiam em suas congregações para responder apropriadamente se confrontadas com má conduta.

Em suma, apenas uma pequena porcentagem dos entrevistados, 6%, disse acreditar que a igreja ignoraria a pessoa que compartilhou sua experiência de má conduta sexual, verá a vítima como uma pessoa que busca atenção ou verá a vítima como parcialmente culpada.

“Cerca de 7 em cada 10 pessoas que frequentam a igreja (72%) consideram sua congregação pelo menos um pouco preparada para ajudar alguém que sofreu agressão sexual, com 38% dizendo que sua igreja está muito preparada. Menos de 1 em cada 10 (8%) acredita que sua igreja está pelo menos um pouco despreparada. Vinte por cento não tem certeza “, relatou LifeWay.

Abuso espiritual

Julie Anne Smith, defensora das vítimas e fundadora do Spiritual Sounding Board (Comissão de Audição Espiritual, em tradução livre), acredita que é importante lembrar que quando ocorre uma má conduta sexual no contexto de uma igreja, o trauma é agravado, dado onde e como ocorreu, particularmente se o abuso estava nas mãos de alguém com autoridade, como um pastor.

“Pode levar anos para um sobrevivente descobrir a dinâmica do que aconteceu com ele”, disse Smith.

“Como o pastor era um líder espiritual e estava em posição de confiança, torna-se difícil para o sobrevivente confiar em qualquer outro pastor. Alguns podem ter dificuldade em entrar na igreja novamente.”

As vítimas disseram a ela que o abuso espiritual é mais difícil de superar porque a espiritualidade é tão profunda e pessoal. Aqueles que foram abusados ​​sexualmente pelos líderes da igreja e que, de alguma forma, conseguem se afastar do mal causado a eles e continuar em sua fé são geralmente aqueles que têm sido capazes de discutir o que aconteceu com eles com um amigo, conselheiro ou família de confiança. membro, acrescentou Smith.

“O abuso espiritual é trauma. É importante tratá-lo como tal. Na verdade, as pessoas são diagnosticadas com estresse pós-traumático, justamente por causa do trauma na igreja”, analisa Smith.

“É por isso que é tão importante que a igreja aborde proativamente o abuso na igreja. Não apenas as vidas emocionais estão em jogo, mas também as vidas espirituais. Se rejeitarmos o abuso, estamos perdendo a oportunidade de caminhar ao lado daqueles que foram prejudicados. Ouça-os e ajude-os a se recuperar. Nada me traz mais alegria do que ajudar alguém a ver que o dano que eles sofreram não teve nada a ver com Deus”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post