Cristãos na Nigéria
Cristãos na Nigéria

A Igreja Católica na Nigéria realizará um grande protesto neste fim de semana contra os assassinatos em andamento por Fulani contra cristãos.

A mídia local informou que a Arquidiocese Católica de Benin, Estado de Edo, realizará um ‘protesto maciço’ liderado pelo arcebispo católico de Benin, Augustine Akubeze, em 12 de maio.

Uma fonte disse: “O protesto vai ser grande porque todos os católicos em Benin serão mobilizados para se encontrar … Nós queremos usar [o protesto] para condenar os ataques dos pastores armados e apelar ao governo federal para encontrar uma solução duradoura”.

A pressão vem crescendo sobre o presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, após uma onda de assassinatos de cristãos na região do Cinturão do Meio do país.

Os pastores da etnia fulani nômade, que são muçulmanos, têm alvejado cristãos, que são principalmente agricultores. Embora tenha havido tensões de longa data entre os dois grupos, os pastores agora estão armados com armas, incluindo fuzis de assalto AK47 e os críticos dizem que foram infiltrados por terroristas islâmicos.

Em uma reunião na semana passada com Buhari, o presidente dos EUA, Donald Trump, criticou o presidente nigeriano por não fazer mais para conter a violência. Em uma coletiva de imprensa conjunta, ele disse: “Estamos profundamente preocupados com a violência religiosa na Nigéria, incluindo a queima de igrejas e a matança e perseguição de cristãos. É uma história horrível.”

Os líderes da Igreja condenaram o fracasso do governo em lidar com a situação em um comunicado da Conferência dos Bispos Católicos da Nigéria intitulado “Quando terminará esta barbárie?”

Após os assassinatos de dois padres e seus paroquianos, os cristãos se sentiram “totalmente expostos e mais vulneráveis”.

Nigéria

Protestos de milhares de cristãos ocorreram em todo o país na semana passada, liderados pela Associação Cristã da Nigéria (CAN).

No estado de Ondo, o reverendo John Ayo Oladapo disse que o protesto era necessário por causa da morte de cristãos inocentes. ‘Estamos aqui hoje para registrar nosso descontentamento com os assassinatos em curso em todo o país. Queremos dizer que os cristãos no país não são cidadãos de segunda classe. Não vamos permitir essas mortes ”, disse ele à Vanguard .

Fonte: The Christian Times