Transtorno Obsessivo-Compulsivo: uma comorbidade socioemocional decorrente da covid-19

Simbologia do sintoma neurótico

Comorbidade é a associação de duas ou mais doenças que aparecem de modo simultâneo no mesmo indivíduo, quando já  existe uma doença primária, e surgem doenças secundárias relacionadas.  Sendo assim, podemos mencionar a covid-19 como uma doença primária e o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) como doença secundária.

Falar em Transtorno Obsessivo-Compulsivo como comorbidade socioemocional é afirmar que existe a partir disso um comprometimento das atividades sociais e emocionais. Por emocionais podemos compreender as funções psíquicas (sendo elas emocionais e cognitivas). Por cognição se entende: pensamento, percepção, decisão, inteligência, memória. O Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC) é facilmente diagnosticável pela própria pessoa.

No TOC estão presentes sentimentos como o medo de micróbios, ou contaminação pelos mesmos, ou ainda a necessidade de organização, rituais compulsivos e pensamentos recorrentes, invasivos, intrusivos, irracionais, e incompatíveis com a realidade vivenciada pela pessoa que apresenta o transtorno. Os pensamentos obsessivos negativos, são recorrentes e persistem a  ponto de levar a pessoa a perder o controle sobre os próprios pensamentos. A partir dos pensamentos obsessivos as pessoas são impulsionadas a realizarem compulsões.

Podemos compreender as compulsões como comportamentos repetitivos, realizados de maneira exaustiva, mas que têm como finalidade reduzir a aflição ou preveni-la, sendo assim, a pessoa sente que a partir disso, da realização das compulsões ela pode evitar que esses pensamentos que são ameaçadores se tornem realidade.

Em tempos de covid-19 temos repetido de forma exaustiva alguns rituais, como por exemplo lavar as mãos, roupas, sapatos, máscaras, desinfetar embalagens, e tudo isso é realizado com muito sofrimento.

Então, existe um pensamento obsessivo recorrente de contaminação pelo coronavírus. Em resposta a isso, executamos uma ação repetitiva de lavar as mãos, a essa ação damos o nome de compulsão.

Isso não quer dizer que as pessoas que hoje apresentam esse tipo de comportamento sejam obsessivas-compulsivas, sendo assim, tal comportamento nos dias atuais carece de um olhar mais sensível, e desta forma compreendermos um pouco sobre o o Transtorno Obsessivo-compulsivo é fundamental pois, hoje em tempos de pandemia podemos estar vivenciando apenas uma situação isolada, uma comorbidade, onde  é o fator desencadeante, funcionando como um “gatilho” para esse transtorno, que pode ser compreendido como algo comportamental, circunstancial, uma situação isolada desencadeada pela covid-19. Hoje não podemos dizer que seja irracional pensar de forma obsessiva em relação a ser contaminado pelo coronavírus, pois estamos vulneráveis a isso. Exceto se isso for feito com muita intensidade e sofrimento ao ponto de comprometer as atividades da vida diária e as relações de modo geral.

Helena Chiappetta

Leia também: Transtorno do Pânico: uma comorbidade socioemocional decorrente da Covid-19

Artigo anteriorComo você tem educado seus filhos?
Próximo artigoOs Cuidados Sanitários Nos Cultos Religiosos Presenciais
Maria HELENA Barbosa CHIAPPETTA Psicóloga Clínica (CRP-02/22041) Psicanalista Clínica (CORETEPE CRTP-1041-PE) FORMAÇÃO • Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional. • Especialização em Ciências da Religião. • Bacharelado em Psicologia. • Licenciatura em Pedagogia. • Licenciatura em Filosofia. • Bacharelado em Teologia. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL • Tem experiência no ensino do Hebraico Bíblico, Psicologia Geral, Educação Religiosa, Artes, Teologia com ênfase em Ciências da Religião Aplicada e Liderança Institucional. • Professora convidada no curso de formação em psicanálise da SNTPC. Professora auxiliar do programa de pós-graduação em psicanálise e teoria analítica (Faculdade de Teologia Integrada – Fatin). Professora visitante na faculdade de Teologia Integrada FATIN (curso de teologia). ATIVIDADES PROFISSIONAIS ATUAIS • Atualmente é Docente no SEID Nordeste. • Leciona no SEID Uberlândia, em MG • Também tem-se dedicado ao estudo das neuroses atuais e dos transtornos da aprendizagem. INFORMAÇÕES ADICIONAIS • Autora do capítulo "A psicanálise na pedagogia: a transferência como facilitador ou inibidor no processo de ensino-aprendizagem", in Rosângela Nieto de Albuquerque (org.), Neuropsicologia e Saúde Mental: Reflexões Multidisciplinares, Tarcísio Pereira Editor, Recife, 2019, p. 221-230. Mulher Destaque na Sociedade Pernambucana - Destaque Defesa Animal pelo Partido Verde (2015). Endereços: • Consultório: Empresarial Camilo Brito – Sala 802 – Rua Arnóbio Marquês 253 – Santo Amaro – Recife – PE (ao lado do Hospital Oswaldo Cruz).
Comentários