Pastor Kenneth Bae contou sua história na Cúpula de Genebra sobre Direitos Humanos e Democracia em 2018. (Foto: Geneva Summit)
Pastor Kenneth Bae contou sua história na Cúpula de Genebra sobre Direitos Humanos e Democracia em 2018. (Foto: Geneva Summit)

Em um país onde milhares de pessoas nunca ouviram o nome de Jesus, o cristianismo é o movimento mais temido pelo governo.

Este foi um dos debates realizados sobre a Coreia do Norte no encontro ministerial para o avanço da liberdade religiosa, promovido pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos em Washington.

Segundo o relatório da Comissão de Inquérito da ONU de 2014, os norte-coreanos que fugiram para a China e foram repatriados deveriam responder a duas perguntas: se tiveram contato com sul-coreanos ou com missionários cristãos. Se eles respondessem “sim” a qualquer uma dessas questões, estariam sujeitos a tortura e prisão.

“Isso é emblemático do que significa ser um cristão dentro da Coreia do Norte”, disse Olivia Enos, analista de política em estudos asiáticos da Heritage Foundation, ao ler os dados do relatório. “O regime de Kim Jong-un vê a religião como potencialmente ameaçadora para sua liderança”.

Isso foi confirmado pelo pastor coreano-americano Kenneth Bae, que foi mantido como refém na Coreia do Norte entre 2012 e 2014 por ser considerado parte de uma “conspiração cristã” para derrubar o regime.

“Eles diziam: ‘Nós não temos medo de armas nucleares, temos medo que alguém como você traga a religião para o nosso país e a use contra nós; então todos se voltarão para Deus e este se tornará um país de Deus e nós cairemos’”, relatou Bae ao público do evento.

Pyongyang já foi conhecida como a “Jerusalém do Extremo Oriente” e tinha uma forte presença cristã, explicou Bae. Mas hoje, exceto pela fé dos poucos cristãos que foram forçados à clandestinidade, a maioria dos norte-coreanos nunca ouviram falar do nome de Jesus. 

Em todas as centenas de refugiados que Bae conheceu, ele nunca se deparou com um fugitivo da Coreia do Norte que tenha ouvido falar de Jesus. Quando Bae começava a evangelizar os norte-coreanos, eles costumavam perguntar se Jesus morava na Coreia ou na China.

“A Coreia do Norte não é um país onde os cristãos estão sendo perseguidos; é um país onde o cristianismo foi eliminado”, alerta o pastor. “E se você é cristão, eles matam você, eles matam seus pais”.

Ideologia norte-coreana

A ideologia oficial da Coreia do Norte é chamada “Juche”, que em coreano poderia ser traduzido como “autossuficiência”. Segundo o governo norte-coreano, a ideia central do Juche baseia-se no princípio filosófico de que o homem é o mestre de tudo e tudo decide,

Quando essa filosofia foi instituída na década de 1960, o nome de Jesus Cristo foi apagado da cultura e da história do país. Bae acredita que o governo fez isso porque a Bíblia diz, em João 14, “que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida, e ninguém vai ao Pai senão por Ele”.

Estimativas indicam que cerca de 80.000 a 120.000 pessoas estão atualmente detidas em campos de trabalho forçado dentro da Coreia do Norte, segundo Enos. “Indivíduos podem ser enviados para esses campos de prisioneiros por coisas simples como ter lido a Bíblia, assistido a uma peça sul-coreana, escutado K-pop”, disse ela.

Não existem estimativas definitivas sobre quantas pessoas morreram nos campos políticos norte-coreanos, mas alguns acreditam que o número varia de 400.000 a milhões, segundo Enos.

Hoje Bae se empenha em enviar Bíblias em garrafas de arroz para a Coreia do Norte e ajudar os norte-coreanos a escapar, incluindo aqueles que estão presos na escravidão sexual na China. Um de seus objetivos é imprimir 1 milhão de Bíblias e colocá-las no país. 

“Precisamos nos preparar quando a Coreia do Norte se abrir. Se o regime norte-coreano de repente cair, estamos temos Bíblias suficientes para que eles conheçam a verdade e saibam como encontrá-la?”, questionou.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post