As crianças precisam ter muito tempo livre para se desenvolver físico, social e emocionalmente, segundo um relatório divulgado nesta semana pela Academia Americana de Pediatras.

O relatório sustenta que, no mundo atual, de pais estressados e de crianças sobrecarregadas de atividades, muitas vezes resta pouco tempo para o saudável e clássico recreio.

“Apesar dos muitos benefícios das brincadeiras, tanto para as crianças quanto para os adultos, o tempo destinado ao jogo livre tem sido reduzido para algumas crianças”, destacou o estudo.

Com muita freqüência, os pais americanos se vêem pressionados para que seus filhos se destaquem, expondo as crianças a todas oportunidades para que desenvolvam seu potencial. Estes esforços, no entanto, podem acabar tendo um efeito contrário, visto que as crianças podem se tornar mais ansiosas, estressadas ou deprimidas, advertiram os pediatras.

“A brincadeira permite às crianças usarem sua criatividade, enquanto desenvolvem sua imaginação, destreza e força física, inteligência cognitiva e emocional”, informaram. “Brincar é importante para o desenvolvimento saudável do cérebro”. “É através dos jogos que as crianças desde idades muito remotas interagem com o mundo que as cerca”, acrescentaram.

O relatório advertiu que o pouco tempo livre nas escolas e a grande quantidade de aulas e de atividades extracurriculares podem afetar as habilidades cognitivas das crianças e sua estabilidade emocional.

A abundância de vídeos didáticos e programas de computador desde a primeira infância também leva crianças a fazerem menos atividades recreativas, e pode contribuir para a epidemia de obesidade no país, acrescentou o estudo. “Em contraste com o entretenimento passivo, brincar forma corpos ativos e saudáveis”, destacou.

Fonte: Folha Online