O cristão ex-muçulmano, a esposa e o filho são perseguidos pela própria família na justiça (foto representativa)
O cristão ex-muçulmano, a esposa e o filho são perseguidos pela própria família na justiça (foto representativa)

Ahmad* foi falsamente acusado de roubo e depois virou réu por evangelizar muçulmanos e ajudar a irmã a fugir da Arábia Saudita sem a autorização do marido dela. O cristão ex-muçulmano teve uma audiência marcada para o dia 30 de maio, mas ela foi adiada para o dia três de junho. O veredito do juiz foi uma multa de 80 mil dólares pelo “crime” de roubo.

As pessoas que acusaram o cristão foram os próprios familiares, que consideram a conversão ao cristianismo uma traição. Não havia provas convincentes do roubo e o próprio juiz advertiu os acusadores e se retirou do caso. Após o acontecimento, a expectativa era que os parentes parassem de acusar Ahmad, mas porque eles tinham uma influência, o caso foi reaberto e outro juiz declarou o cristão como culpado.

Ahmad tem 30 dias para pagar a multa, mas vai apelar contra o veredito. Segundo as pessoas próximas, o cristão ex-muçulmano está aliviado por ter essas quatro semanas até a data do pagamento da multa, porque poderá ficar com a família e deixá-la preparada para as possíveis consequências caso a pena não seja revista.

Os irmãos pedem que os cristãos ao redor do mundo continuem em oração por Ahmad, pela esposa dele que foi aprisionada pela própria família e pelo filho do casal. Além disso, clamam para que ele consiga um advogado certo e que a apelação seja concedida.

  • Nome alterado por segurança.

Fonte: Portas Abertas