Maheen Sathar, um cristão ex-muçulmano, foi trancado em um quarto escuro por 17 dias e libertado no dia 9 de abril. Ele foi preso pelo cunhado (irmão de sua esposa) e outros extremistas no dia 24 de março.

Maheen Sathar tornou-se cristão há quatro anos. Mas Muneera, sua esposa, não acreditava em Jesus Cristo. Maheen tentou convencê-la várias vezes da necessidade da salvação, e também da importância de ler e meditar na Bíblia, a Palavra de Deus. Mas Muneera nunca lhe deu ouvidos por causa da influência de seu irmão, Siddiq Yasin, um extremista que trabalha em Riad, na Arábia Saudita.

No mês passado, Maheen Sathar foi batizado. Na verdade ele esperava para ser batizado há muito tempo, pois queria que sua esposa fosse batizada com ele. Por fim, ele decidiu se batizar sozinho.

Muneera contou o fato ao irmão, que imediatamente voltou da Arábia Saudita. Ele queria que Maheen voltasse ao islã. Siddhiq tentou levar Maheen para a Arábia Saudita, oferecendo-lhe uma boa colocação, além de uma casa e de seus próprios bens como se fossem de Maheen. Mas o cristão disse: “Jesus está além, muito além do que qualquer oferta desse mundo. Posso ser morto, mas nunca negarei Jesus, pois Ele é o meu Senhor e Salvador, que me garante vida eterna”.

A declaração provocou Siddhiq e seus companheiros. Eles agrediram Maheen brutalmente na frente de Muneera e o trancafiaram em uma cela. Ele não recebeu alimentação e nem mesmo sua esposa teve permissão para vê-lo.

Todos achavam que Maheen mudaria de idéia e voltaria para o islã. Mas eles descobriram que ele se tornava mais forte na fé em Jesus dia após dia. Então, decidiram libertar Muneera de Maheen matando-o.

Conversão

Isso chocou Muneera, pois ela jamais esperou que tal idéia viesse de seu irmão e de seu pai. Ela orou ao Deus todo-poderoso. Enquanto orava, viu o Senhor Jesus sentando em um trono. Maheen estava na palma da mão direita de Cristo, louvando-o junto com os anjos e lavando as almas com o sangue que fluía como um belo rio do coração de Jesus Cristo, junto com a Palavra que saía de sua boca. Muneera tentou alcançar Maheen, mas não conseguiu pois havia um grande abismo entre o céu e ela. De fato, ela tinha visto uma ponte na ponta de uma cruz sobre o abismo, mas ela foi retirada para o céu quando Maheen tentou passar por ela. Por isso Muneera não conseguiu chegar ao céu.

Ela confessou em lágrimas, aceitando Jesus como seu salvador e orou para que Maheen não fosse ferido.

Então, ela falou com Paul Ciniraj Mohamed, diretor do ministério Voz de Salém, pelo telefone, e contou tudo que estava acontecendo. Ele chegou ao local e se encontrou primeiro com alguns cristãos. Eles oraram juntos e depois se encontraram com um influente oficial da polícia. Policiais libertaram Maheen do cativeiro.

Na mesma noite, uma multidão liderada por Siddhiq se reuniu com armas para atacar Paul Ciniraj. Imediatamente, alguns moradores que acreditavam em Jesus Cristo em segredo o levaram escondido para outra casa. Paul acredita que foi protegido por Deus por causa da oração de seus filhos.

Maheen e Muneera começaram uma nova vida em casas separadas, sob vigilância da polícia. Mas não é bom que eles continuem assim. Em breve eles serão reunidos e levados para um local seguro assim que possível.

É verdade que os policiais foram usados para libertar Maheen da cela. Mas não é possível confiar neles inteiramente, porque eles mesmos temem alguns poderes políticos e religiosos. Eles pediram que seus nomes não fossem divulgados nesse caso.

Maheen e Muneera não superaram o perigo da situação ainda. Só Deus pode protegê-los em suas poderosas mãos. Por isso, é preciso orar por eles.

“A perseguição aos cristãos aumenta nos países asiáticos e africanos. Muitos pastores, evangelistas e fiéis são assassinados, agredidos e presos. Igrejas são vandalizadas. As autoridades mantêm silêncio ou protegem os agressores em vários locais. Ouvindo tudo isso, muitas pessoas se sensibilizam e só. Precisamos de orações; intercessões contínuas de dedicados guerreiros de oração”, disse Paul Ciniraj.

Fonte: Portas Abertas