Este é o primeiro relato de uma Organização de Direitos Humanos sobre o caso da detenção de Anwar al-Bouni, na prisão de Adra, região que fica além dos limites de Damasco. Al-Bouni é um cristão dissidente sírio que chama a atenção dos direitos humanos em sua luta por liberdade.

Outro cristão dissidente é Michel Kilo, cuja saúde padece na prisão por estar submetido a condições severas e desumanas de reclusão. Ambos estão sendo punidos por expressarem suas opiniões livremente.

Al-Bouni é um advogado de direitos humanos que já defendeu centenas de sírios, apesar de todas as circunstâncias e poucas chances reais.

A viagem de Nancy Pelosi à Síria (esposa do vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney) causou mais danos aos cristãos sírios e libaneses do que se podia prever inicialmente. O país, governado pela família Assad desde 1971, vive sob o regime de um ditador que oprime os cristãos.

Nenhuma palavra foi proferida por Nancy na defesa de qualquer grupo dissidente sírio que luta pela liberdade em sua terra natal, caso de pessoas como Michel Kilo, Aref Dalilah, Anwar al-Bouni, e Kamal Labwani. Ainda assim, sua visita acabou dando sinal verde para o presidente da Síria, Bashar al Assad, ainda mais os cristãos.

Além disso, Assad mantém a acusação contra todos os cristãos libaneses, que resistem contra a opressão e a hegemonia da Síria em sua terra natal, pelos assassinatos de Gibran Tueini, George Hawi e Pierre Gemayel.

Assad foi o responsável pelo desaparecimento de aproximadamente 17 mil prisioneiros libaneses, a maioria de cristãos, logo após sua marcha a Beirute, em 1976.

As comunidades cristãs da Síria e Líbano têm feito o possível para criar um ambiente que proporcione a abertura e a coexistência pacífica delas na região. A maioria dos contatos com o Ocidente e as áreas do Mediterrâneo Oriental em favor de cooperação e esclarecimento, no final, acabam sendo sufocadas por Assad.

Fonte: Portas Abertas