Empréstimo será de R$ 32,5 milhões e vem do programa BNDES de uma linha de crédito voltada para obras da Copa do Mundo de 2014.

O Santuário Nacional de Aparecida, instituição da Igreja Católica que administra a basílica de Aparecida, vai receber um empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) de uma linha de crédito voltada para obras da Copa do Mundo de 2014.

O empréstimo será de R$ 32,5 milhões e vem do programa BNDES ProCopa Turismo, que tem até R$ 1 bilhão para emprestar a interessados na construção de hotéis. Das 12 sedes do Mundial, apenas seis (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza, Salvador e Natal) têm estrutura hoteleira considerada adequada à demanda de turistas para o principal torneio de futebol do mundo.

Por meio do departamento de relacionamento com a imprensa, o BNDES explicou que o projeto ProCopa Turismo não é uma exclusividade das cidades-sede. Que o empréstimo não foi concedido a uma instituição, mas a uma empresa com CNPJ, recolhedora de impostos e que apresentou um projeto adequado às regras e condições de financiamento.

O banco informou também que o ProCopa é uma oportunidade para todos: no caso das cidades, com aumento do potencial de crescimento – na época dos eventos esportivos e também no futuro. Para a instituição federal, uma forma de espalhar geograficamente a concentração de investimentos, com taxas de juros menores e sem intermediários, contribuindo para o desenvolvimento de diferentes localidades.

Para o BNDES, o programa é destinado também às cidades que não estão ligadas diretamente ao evento. Além disso, o banco não pode discriminar uma proposta que atenda às condições rigorosas do programa apenas por sua origem religiosa.

[b]Um novo polo
[/b]
Aparecida fica a 168 km de São Paulo e a 259 km do Rio de Janeiro, às margens da via Dutra, a principal ligação por terra entre as duas maiores cidades do país – que devem receber, respectivamente, a abertura e o encerramento da Copa de 2014.

A basílica, maior templo católico do país, recebe milhares de turistas todos os fins de semana, e o hotel, segundo o Santuário, está voltado para essas pessoas. Ele se chamará Cidade dos Romeiros e terá quartos a preços populares.

O Santuário diz, ainda, que não pediu financiamento por meio da linha de crédito voltada à Copa, mas por meio de uma linha tradicional de crédito para hotelaria, chamada de Programa de Incentivo ao Turismo.

O BNDES, no entanto, considerou que poderia enquadrar o projeto no ProCopa Turismo, que tem juros menores e melhores condições de pagamento, por causa da localização geográfica do hotel, que ficaria praticamente “no meio do caminho” entre o Rio e São Paulo.

Procurada pelo R7, a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) afirmou por meio de sua assessoria de imprensa que, embora esteja diretamente ligada à arquidiocese de Aparecida, não está envolvida com o pedido de empréstimo para a construção da Cidade dos Roceiros com dinheiro do BNDES. Segundo a entidade, o projeto diz respeito somente à administração do Santuário Nacional e a CNBB não está envolvida com o empreendimento ou mesmo com suas fontes de recursos.

Procurado pela reportagem do R7, o Santuário Nacional não se manifestou sobre o assunto.

[b]Fonte: R7[/b]