No primeiro dia de sua visita ao México, o papa Francisco fez um apelo à classe política do país por mais justiça, segurança e foco no combate à corrupção.

“A experiência nos ensina que cada vez que buscamos o caminho de privilégios ou benefícios para alguns em detrimento do bem de todos, cedo ou tarde a vida em sociedade se torna um terreno fértil para a corrupção, o tráfico de drogas, a exclusão e a violência”, disse o pontífice.

A declaração ocorreu durante encontro de Francisco com o presidente Enrique Peña Nieto. Essa é a primeira vez que um mandatário mexicano recebe o chefe da Igreja Católica, um gesto repleto de simbolismo num país com cerca de 100 milhões de católicos, mas que só restabeleceu relações diplomáticas com o Vaticano em 1992.

O papa também disse que os líderes do México têm um “dever especial” no combate à corrupção e à violência no país.

Recentemente, denúncias de corrupção atingiram Peña Nieto, sua mulher e o ministro da Economia mexicano.

Depois do encontro com Peña Nieto, Francisco visitou a catedral metropolitana, onde se reuniu com bispos e arcebispos do México.

Em duro discurso, Francisco pediu aos religiosos que se aproximem das comunidades e enfrentem o narcotráfico “com coragem profética”. A hierarquia eclesiástica mexicana tem a reputação de muitas vezes ser conivente com os ricos e poderosos.

“A amplitude desse fenômeno [o narcotráfico], a complexidade das suas causas, a imensidade da sua extensão —tal como uma metástase devoradora— e a gravidade da violência não permitem que nós, pastores da Igreja, nos refugiemos em condenações genéricas. Elas exigem coragem profética e um projeto pastoral sério e qualificado”, disse o pontífice.

“Só a partir das famílias, só abraçando a periferia humana e existencial das áreas desoladas das nossas cidades, só envolvendo as comunidades paroquiais, as escolas, as instituições comunitárias, a comunidade política, as estruturas de segurança —só assim será possível nos libertarmos das águas onde, infelizmente, se afogam tantas vidas, seja a de quem morre como vítima, seja a de quem diante de Deus terá as mãos sempre manchadas de sangue.”

Além disso, o pontífice defendeu que o México reconheça a contribuição das populações indígenas e “suas fascinantes e não raras massacradas culturas”. “O México necessita de suas raízes ameríndias para não ficar um enigma sem solução. Os indígenas do México ainda esperam reconhecimento da sua contribuição e da sua presença, o que fez de vocês uma nação única, e não apenas uma entre outras.”

[b]MISSA[/b]

Durante a tarde, em um dos eventos mais aguardados de sua visita, o papa celebrou uma missa na Basílica da Virgem de Guadalupe, de quem é devoto.

O pontífice já havia manifestado sua emoção com a visita ao santuário. Após fazer sua homilia, Francisco ficou por quase cinco minutos, em silêncio, rezando em frente à imagem da virgem.

Na sexta-feira (12), antes de chegar ao México, o papa se reuniu, em Cuba, com o líder da Igreja Ortodoxa Russa, o patriarca Cirilo. Considerado histórico, o encontro foi o primeiro entre os líderes das duas igrejas desde que elas se separaram, no Grande Cisma do Oriente, em 1054.

[b]AGENDA[/b]

O México reúne muitas das preocupações do pontificado de Francisco, como a violência, a desigualdade e a pobreza. Por isso, a viagem do papa parece estar repleta de simbolismo.

No domingo (14), ele visitará Ecatepec, cidade superpopulosa nos arredores da capital que atravessa uma grave onda de violência, principalmente contra as mulheres.

Na segunda (15), o papa viajará a Chiapas (sul), um dos mais pobres Estados do país e com forte presença indígena, onde celebrará uma missa com fragmentos de três línguas locais: tzotzil, tzeltal e chol.

Depois, na terça (16), o papa irá para Morelia, capital do Estado de Michoacán (oeste), onde grupos paramilitares pegaram em armas em 2013 para combater o cartel Cavaleiros Templários.

O papa também visitará Ciudad Juárez, que já foi considerada a mais perigosa cidade do mundo, e uma prisão na fronteira do México com os Estados Unidos.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]