Prefeito de Nova York Bill de Blasio (Foto: AFP)
Prefeito de Nova York Bill de Blasio (Foto: AFP)

A afirmação do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, de que igrejas e sinagogas serão “permanentemente” fechadas se eles se recusarem a obedecer a uma ordem de permanência em casa proibindo grandes reuniões à luz da pandemia de coronavírus, provocou uma reação dos líderes cristãos nacionais.

Em uma coletiva de imprensa em 27 de março , De Blasio destacou as congregações cristã e judaica e ameaçou que os agentes fechassem suas casas de culto se realizassem serviços pessoais. 

“Um pequeno número de comunidades religiosas, igrejas específicas e sinagogas específicas não estão, infelizmente, prestando atenção a essa orientação, mesmo que seja tão difundida”, disse Blasio.

O prefeito democrata alertou ainda que, se as congregações se recusarem a se dispersar, a cidade “tomará medidas adicionais até o ponto de multas e potencialmente fechará o edifício permanentemente”.

“É a última coisa que gostaria de fazer, porque entendo o quão importante é a fé das pessoas para elas e precisamos de nossa fé neste momento de crise. Mas não precisamos de reuniões que ponham em perigo as pessoas”, argumentou Blasio.

Tony Perkins, presidente da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional e presidente da organização de ativistas conservadores cristãos Family Research Council, criticou os comentários de Blasio no Twitter. 

“A ameaça incendiária e inconstitucional de De Blasio de encerrar permanentemente igrejas e sinagogas deve ser retratada ou corrigida se for uma distorção” , escreveu Perkins, que já havia se manifestado contra igrejas que mantinham cultos durante a pandemia, em um tweet . 

“Esse tipo de hostilidade religiosa é o que alimenta a não conformidade, porque revela um motivo além da segurança pública”.

Ronnie Floyd, presidente do Comitê Executivo da Convenção Batista do Sul, considerou as observações de Blasio uma “questão de grande preocupação”.

“A Primeira Emenda declara que não deve haver lei que proíba o livre exercício da religião e as proteções constitucionais não sejam alteradas pelas circunstâncias atuais”, disse Floyd, ex-pastor da Cross Church no Arkansas e ex-presidente da SBC, em comunicado à Fox News. . 

O autor conservador evangélico Joel Rosenberg, que organizou reuniões entre líderes evangélicos dos EUA e líderes políticos no Oriente Médio nos últimos anos para discutir a liberdade religiosa, escreveu no Twitter que os comentários de De Blasio “ultrapassaram”. 

“Ele deve se desculpar e voltar atrás na declaração imediatamente”, argumentou Rosenberg. “Nenhum funcionário do governo deve ameaçar fechar igrejas e sinagogas permanentemente.”

Bart Barber, o pastor da Primeira Igreja Batista de Farmersville, Texas, escreveu no Twitter que os prefeitos não têm “a autoridade para suspender a Primeira Emenda”, por mais “tentadores” que sejam os tempos. 

“Por favor, esclareça ou corrija sua ameaça de fechar igrejas e sinagogas permanentemente se elas não atenderem às suas demandas”, solicitou Barber . 

Em todo o país, uma pequena minoria de pastores e igrejas continua prestando serviços religiosos pessoalmente, apesar das ordens de distanciamento social em seus estados. Enquanto isso, muitas congregações estão realizando serviços apenas online. 

Poucos dias depois das declarações de Blasio, o pastor Rodney Howard-Browne, no condado de Hillsborough, Flórida, foi preso  por violar a ordem do estado que proibia grandes reuniões de culto. 

Folha Gospel com informações de The Christian Post