O ministro francês do Interior, Christophe Castaner, falando no Senado, em outubro de 2019. / Facebook
O ministro francês do Interior, Christophe Castaner, falando no Senado, em outubro de 2019. / Facebook

Em uma entrevista no Le Journal du Dimanche , o chefe do maior grupo da câmara francesa (os republicanos têm 146 de 348 assentos) disse que seu partido apresentaria um projeto de lei para proibir listas eleitorais confessionais. 

O objetivo é interromper projetos políticos que incluam membros de apenas uma religião específica.

Essa nova iniciativa surge depois que se sabia que a União Democrática dos Muçulmanos (partido criado em 2012) planejava participar das próximas eleições municipais, apresentando listas em 50 cidades.

Este novo debate faz parte de uma longa conversa sobre a força do islamismo na França. Segundo Retailleu, “o Islã político procura construir uma contra-sociedade com valores separatistas e anti-republicanos”. Ele acrescentou que esses partidos religiosos “querem dar privilégios a uma parte da sociedade em detrimento do resto”.

Enquanto isso, o primeiro-ministro francês, Christophe Castaner, disse que a proibição contra partidos políticos religiosos pode ser anticonstitucional, mas acrescentou que as autoridades agirão contra candidatos que tenham “um discurso do comunitarismo islâmico”.

Os evangélicos cristãos são outro dos grupos religiosos em crescimento na França. Mas “não há vontade de criar listas não misturadas para as próximas eleições (formadas apenas por cristãos, por exemplo)”, disse o diretor de comunicações do Conselho Nacional de Evangélicos na França (CNEF) à Evangelical Focus .

Romain Choisnet disse que nas igrejas evangélicas “não existe uma cultura de fazer as coisas por nós mesmos, mas queremos ser atores, ao lado de outros, para a coexistência e o bem-estar de nossas cidades”. Nesse sentido, “não seríamos afetados pelas eventuais restrições”.

Mas o CNEF está preocupado em ver “o desenvolvimento de ideias anti-religiosas. Alguns querem restringir a expressão de práticas religiosas e empurrar a fé pessoal dos cidadãos para o espaço privado”.

Esse secularismo agressivo é “uma tentativa contra nossa liberdade de religião e liberdade de expressão, dois valores refletidos em nossa Constituição e na Declaração de Direitos Humanos”, diz Choisent.

O CNEF “trabalha para garantir que a expressão pública de nossa fé continue sendo uma liberdade hoje e amanhã na França”. Com esse objetivo, o corpo evangélico promoveu a campanha “Libre de le dire” , que incentiva os cristãos a conhecer seus direitos e a falar com confiança nas escolas, no local de trabalho e nos espaços públicos.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus