A mãe da estudante de 18 anos que passou 41 horas dentro de uma tubulação de esgoto após ser violentada disse que a filha chegou a pensar que não fosse escapar viva.

– Ela pensou que seria o fim dela e que nunca mais se encontraria com sua família – contou ontem a costureira de 44 anos, após passar a noite com a jovem, que continua internada no Hospital Geral de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo.

O ex-caseiro Uelton Ferreira Cantanhede, de 40 anos, identificado como o homem que abusou da jovem e a enterrou viva, continua foragido. A costureira acredita que sua filha foi salva por um milagre.

– Se não fosse Deus e a fé dela seria realmente o fim. Mas Deus é misericordioso e me deu essa vitória – contou.

A família é evangélica e freqüenta a igreja Congregação Cristã. A mãe contou também como foram as 41 horas de angústia sem notícias da filha.

– Recebemos ligações de pessoas que diziam que ela estava seqüestrada, chegaram a pedir resgate de R$ 20 mil. Meu marido pedia para falar com ela pelo telefone, mas o suposto seqüestrador não deixava – afirmou.

Segundo relato da estudante à família, ela foi abordada pelo agressor por volta das 23h de terça-feira. quando voltava da escola para casa. A jovem cursa o 3º ano do ensino médio, numa escola estadual no Jardim Miriam, no Itaim Paulista, zona leste da capital.

– Ele ameaçou com um facão e levou ela à força para o terreno. Era muito tarde e não tinha quase ninguém na rua – relatou.

Segundo a família, a jovem tem um comportamento calmo e sereno. A mãe disse que ela gosta de jogar videogame e pretende ser professora. Segundo o delegado de Ferraz, Ivan Moysés Elian, o suspeito tem família no estado do Maranhão e pode ter fugido da cidade. Segundo o hospital, o estado de saúde da jovem é estável.

Fonte: O Globo