Sem debate ou compensação pela perda, o governo do Estado de Kano, na Nigéria, decidiu unilateralmente demolir quatro igrejas na cidade de mesmo nome para abrir caminhos para estradas e um hospital.

Duas igrejas pentecostais e duas pertencentes à Igreja Evangélica da África Ocidental (ECWA, sigla em inglês) serão demolidas segundo o plano diretor da cidade do nordeste nigeriano. As outras três são a Igreja Assembléia de Deus, Monte de Fogo e Igreja dos Milagres, todas na área de Badawa, em Kano.

O reverendo Murtala Marti Dangora, secretário da Associação Cristã da Nigéria (CAN, sigla em inglês), que faz parte do Estado de Kano, disse que a construção da estrada e do hospital são desculpas para a demolição das igrejas.

Governador se elegeu com o apoio de muçulmanos

“Durante todo o último mês [outubro], notificações foram feitas pelo governo do Estado de Kano , em sua estação de rádio, de que uma estrada seria construída na área de Badawa, e que todas as construções dali deveriam ceder seu espaço”, disse o reverendo Dangora.

“Essas igrejas estão localizadas nessa área, e o governo se recusou a discutir conosco acerca do destino delas”.

O reverendo conta que durante sua campanha antecipada de reeleição desse ano, o governador de Kano, Malam Ibrahim Shekarau, prometeu aos muçulmanos da área de Ginginya que se eles dessem a ele o mandato, “ele demoliria a igreja ECWA e transferiria o quartel policial a fim de construir um hospital para eles”.

A igreja ECWA na área de Ginginya serve aos agentes policiais nos quartéis e suas famílias, assim como a outros membros da comunidade cristã dali.

Sharia

O plano para demolir as igrejas, disseram os líderes da CAN de Kano, é a continuação de um ataque furioso contra a igreja por parte do Estado sob comando do governador Shekarau, que implantou o sistema legal islâmico (sharia).

O Comissário de Informação do Estado de Kano não retornou as ligações feitas pelo Compass pedindo comentários a respeito dos planos de demolição.

Mesma manobra

Dangora disse que essa manobra reflete a mesma estratégia utilizada pelo governo do Estado no ano passado, quando ordenou ao conselho das autoridades locais da cidade de Rogo a demolição da igreja HEKAN dali. Era a única igreja servindo a comunidade cristã na cidade.

Muazu Aliyu, o dirigente da igreja HEKAN em Rogo, disse que a demolição da igreja em 30 de setembro de 2006 deixou 70 membros da congregação sem templo.

“No processo de demolição da igreja, estes oficiais muçulmanos do governo destruíram Bíblias, hinários, e os bancos da igreja”, disse Aliyu.

No recinto da igreja, acrescentou ele, havia uma construção de acomodação com 30 dormitórios para servidores públicos cristãos, aos quais era negado o alojamento em propriedades pertencentes a muçulmanos.

“A casa também foi demolida juntamente com a igreja”, ele disse. Aliyu disse não foi permitido à igreja cultuar em qualquer outro lugar, e o governo local não providenciou nenhum terreno para que eles construírem uma nova igreja.

Fonte: Portas Abertas