Silas Malafaia pregando na sua igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo no Rio de Janeiro
Silas Malafaia pregando na sua igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo no Rio de Janeiro

A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF) o decreto de Jair Bolsonaro que classifica como serviços essenciais as atividades religiosas, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus.

A informação é da coluna de Guilherme Amado na Época.

A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF) o decreto de Jair Bolsonaro que classifica como serviços essenciais as atividades religiosas, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus. A informação é da coluna de Guilherme Amado na Época.

A defesa vem em resposta a uma ação protocolada pelo Ministério Público Federal (MPF) para suspender os efeitos do decreto.

No documento que enviou ao STF, a AGU pede que a Corte “aproveite” a decisão dada a um pedido de mesmo teor que tramita na 2ª Vara Federal de Chapecó, em Santa Catarina, que não aceitou o pedido para fechamento de templos e igrejas.

“O juízo catarinense já analisou o pedido de tutela provisória de urgência a ele apresentado, proferindo decisão pelo indeferimento do requerimento”, argumentou a AGU.

Fonte: Época e Conversa Afiada