Igreja evangélica atacada por ativistas pró-aborto
Igreja evangélica atacada por ativistas pró-aborto

A igreja do Centro Cristão de Avivamento, localizada na cidade de Resistencia, província do Chaco, Argentina, sofreu um ataque de um grupo de mulheres violentas ativistas identificadas com lenços verdes (símbolo a favor do aborto).

As mulheres pintaram as paredes da igreja com spray vermelho, insultando os membros que no momento estavam realizando renovação do templo e gritaram palavras de ordem como “igreja suja, você é a ditadura” .

Alejandro Mainetti, um porteiro da congregação que estava no local, foi atacado pelas mulheres. Mainetti disse que “um grupo de pessoas veio com lenços verdes e saímos porque estavam pintando a igreja. Quando eu tento colocar minha mão para que parem de fazê-lo, uma mulher veio e me jogou contra a janela, me insultando e me empurrando para que eu reagisse e batesse nela, dizendo ‘você não pode me tocar’, mas ela fez. Pedi-lhe para não me tocar e pedi-lhe que saísse, mas elas continuaram pintando e gritando até saírem”.

Mainetti tem ferimentos e arranhões e disse que vai fazer um boletim de ocorrência, pois também havia registros das câmeras de segurança, que mostram em detalhes como estavam os fatos.

Os atos violentos sofridos pela igreja do Centro Cristão de Avivamento foram repudiados por várias entidades evangélicas na Argentina e em outros países. A Aliança Evangélica da Argentina (ACIERA) expressou seu repúdio ao ataque.

“Além deste evento específico, que se soma ao que sofreu muitas igrejas em diferentes cidades do país e que a mídia nacional silenciou, estamos preocupados com essa cultura de violência e intolerância que tenta se impor como um estilo para resolver o dissenso na nossa sociedade”, diz um comunicado emitido pela ACIERA.

A entidade evangélica argentina acrescenta sua solidariedade aos irmãos da Resistência , “reiterando nosso apelo à pacificação, respeito e tolerância”.

Do México, também foram emitidas palavras de condenação sobre os eventos sofridos por esta igreja e seus fiéis. O Congresso Ibero-americano pela Vida e a Família divulgou uma declaração pública e seu presidente, o Sr. Aarón Lara, enviou uma carta de protesto ao consulado argentino na Cidade do México.

“Nós reconhecemos nossa franca rejeição a tal perseguição e flagrante discriminação religiosa”, diz o manifesto. “Com espanto, notamos que um grupo provoca perseguição e procura um modelo único de pensamento, impondo à toda a sociedade … Causa-nos maior perplexidade, porque o aparelho do Estado não reage ou estabelece a ordem e permite os caminhos da agressão favorecendo a promoção de uma visão particular, infringindo direitos de todo cidadão que tem que tolerar abusos, insultos, agressões físicas, verbais e psicológicas, bem como danos em suas propriedades”, acrescenta o Congresso da Vida e Família.

A declaração, assinada por Lara, também questiona ” Desde quando os crentes evangélicos têm sido cidadãos como qualquer outro? Desde quando não podemos nos expressar privada ou publicamente sobre nossas convicções e crenças? Desde quando o Estado deixou de ser o protetor de nossas liberdades? Desde quando a violência é o caminho para resolver nossas diferenças e o Estado permite isso?”

Fonte: Evangélico Digital