Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) realizou boca de urna em um culto na manhã de domingo (7), dia da votação, de acordo com publicação Estadão.

O ato, que é considerado crime, foi realizado dentro das dependências do templo, na Avenida João Dias.

De acordo com a publicação um garoto na saída do culto dizia “Vota no Russomanno hoje, tá?”, além de distribuir material de campanha dos candidatos Celso Russomanno e do pastor Jean Madeira, que disputou uma vaga a vereador.

O material foi distribuído por participantes da ‘Força Jovem Brasil’ ao final do culto das 7hs liderado pelo bispo Adilson e no das 9h30, comandado pelo bispo Edir Macedo, dono da TV Record e da Igreja Universal. A Força Jovem Brasil é programa social da IURD coordenado pelo pastor e candidato a vereador.

“Não estamos ganhando nada. Estamos fazendo isso para ajudar o pastor”, disse o jovem que distribuía o material em um dos portões da igreja. “Aqui é tudo da Força Jovem e está todo mundo trabalhando de graça.”

Para o advogado Alberto Rollo, especialista em direito eleitoral, a legislação é clara: “distribuir material de campanha em dia de eleição não apenas é proibido, com é crime eleitoral”.

“É boca de urna, independentemente da distância que esteja do local de votação”, acrescentou, “No estacionamento de um templo, caracteriza duplo crime, porque templos, assim como estádios de futebol e estabelecimentos comerciais são considerados pela lei bens de uso comum e, portanto, não poderia ser distribuído material de propaganda de candidatos ali em nenhum momento da campanha”, concluiu o advogado.

Apesar dos esforços da IURD para eleger seus candidatos o resultado não foi favorável, no domingo (7) no início da noite já se sabia que seu candidato a prefeito ficaria de fora do segundo turno conquistado por Serra do PSDB com 30, 75% e Haddad do PT com 28,98%.

Celso Russomano que ficou em terceiro lugar com 21,60 % dos votos disse em coletiva de imprensa no início da noite deste domingo (7), que os “Partidos se uniram e nos bombardearam.” De acordo com Estadão, o candidato estava visivelmente abatido, lamentou a derrota e disse ter sido “massacrado” pelos seus adversários.

Ele ainda comentou não ter decidido em quem vai apoiar no 2º turno. “O 2º turno tem que estar aliado com a democracia e os princípios que nosso grupo construiu nessa campanha”, afirmou. “Dentro desse princípio vamos apoiar um candidato. Vamos definir isso amanhã.”

[b]Fonte: The Christian Post[/b]