Igrejas dos EUA agora contam com segurança armada
Igrejas dos EUA agora contam com segurança armada

A onda de tiroteios nos EUA já atingiu escolas, shoppings, hospitais, eventos públicos, como corridas de rua, além de igrejas, lugares onde não seria imaginável esse tipo de ação violenta e mortal.

Em entrevista à AP News, o Pr. Steven Marsh diz que nunca pensou que veria o dia em que sua igreja em Laguna Woods, na Califórnia – uma cidade de 16.500 habitantes habitada em grande parte por aposentados – gastaria US$ 20.000 por mês em segurança.

A precaução do pastor tem razão de ser, uma vez que sua congregação foi alvo deste tipo de tragédia, em 15 de maio passado. Um atirador abriu fogo durante um almoço na Igreja Presbiteriana de Genebra, onde Marsh é pastor sênior, matando uma pessoa e ferindo outros cinco membros de uma congregação de Taiwan que se reunia lá.

Segundo as autoridades, o homem, motivado pelo ódio político contra Taiwan, acorrentou as portas da igreja e escondeu bombas incendiárias dentro antes de atirar na reunião de membros idosos da igreja.

Essa tragédia faz parte da série de tiroteios em massa em território americano, motivando líderes religiosos a aumentar a segurança de suas igrejas.

Na Presbiteriana de Genebra, por exemplo, guardas de segurança armados passaram a vigiar todos os dias da semana e durante os cultos de domingo.

A igreja também instalou mais câmeras de segurança, desenvolvendo um plano de tiro ativo e solicitando financiamento do Departamento de Segurança Interna.

“Não estamos tentando militarizar a igreja”, disse Marsh. “Oramos sobre isso e tomamos a decisão de ter segurança armada como um ato de fé”.

O pastor acredita que sem essas medidas de segurança haveria um êxodo em massa da congregação e das escolas do campus da igreja após o tiroteio.

Sinagoga

As sinagogas também têm sido alvo de violência, principalmente pelo antissemitismo, o que também motivou a colocação de segurança em muitas delas.

Para o rabino Charlie Cytron-Walker, ex-líder espiritual da Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas, criar um espaço seguro e acolhedor é possível.

Em janeiro, ele e três outros foram feitos reféns por um homem armado com uma pistola durante um serviço de Shabat.

O rabino jogou uma cadeira no atirador – um ato corajoso que os ajudou a escapar com segurança – após um impasse de quase 11 horas. Ele credita as várias rodadas de treinamento de atirador ativo que ele fez, contou à AP News.

“Quando você não consegue fugir ou encontrar um esconderijo, precisa encontrar uma maneira de agir e revidar”, disse Cytron-Walker. “Quando estávamos com mais medo de que ele nos matasse, vi um momento que estava procurando o dia todo.”

Cytron-Walker agora lidera Temple Emanuel em Winston-Salem, Carolina do Norte. Enquanto trabalha em um plano de segurança com sua nova congregação, ele está atento a como uma sinagoga acolhedora pode aumentar a segurança “porque alguém que quer fazer mal pode ver que não poderá se manter anônimo”.

Vulnerabilidades

Historicamente, os santuários têm sido vulneráveis ​​a ataques violentos – desde bombardeios em igrejas negras durante a era dos Direitos Civis até tiroteios mais recentes nos EUA em mesquitas e gurdwaras sikhs.

Segundo informa a AP, nos EUA as estatísticas de crimes de ódio do FBI mostram que os incidentes em igrejas, sinagogas, templos e mesquitas aumentaram 34,8% entre 2014 e 2018.

“Todas as religiões estão sendo atacadas nos Estados Unidos por radicais e extremistas”, disse Alon Stivi, consultor de segurança para sinagogas, centros comunitários judaicos e escolas diurnas.

Essa realidade tem afastado as pessoas de estarem nos locais de culto. “Eles estão fazendo muito mais perguntas: ‘Devo vir aos cultos semanais ou apenas nos feriados? E se eu for, devo trazer meus filhos?’”

Nas mãos de Deus

Até os líderes religiosos, que antes preferiam deixar a segurança nas mãos de Deus, estão tomando precauções que pareciam impensáveis ​​anos antes, disse Stivi. Mais congregados também estão levando armas escondidas para os cultos, expôs.

Para garantir essas ações de segurança, o governo americano tem aumentado constantemente o montante de financiamento que reserva para ajudar a comunidade religiosa, disse Stivi. Mas nem todos os líderes religiosos estão cientes de que podem usar esses recursos, disse.

Rebanhos seguros

A frequência dos ataques anteriores a locais de culto e outros espaços públicos têm levado os líderes religiosos a avaliar – às vezes pela primeira vez – se há mais coisas que podem ser feitas para manter seus rebanhos seguros.

Os cultos de domingo na Igreja Episcopal Metodista Africana Mt. Zion em Charleston, Carolina do Sul, já conta com um policial armado vigiando o local contou o Rev. Kylon Middleton, que lidera a congregação.

Quando um oficial não pode estar no campus para eventos da igreja, os membros que carregam armas escondidas ficam de guarda.

“É triste, mas estamos em tempos em que devemos ter segurança armada para proteger nosso povo”, disse ele.

A igreja fica a dois quarteirões da Igreja Episcopal Metodista Africana Emmanuel. Em 2015, um autoproclamado supremacista branco abriu fogo durante o estudo bíblico e matou nove fiéis, incluindo o pastor sênior. Middleton disse que o falecido pastor era como um irmão para ele.

Olhos abertos

Após o massacre, as discussões sobre segurança na Mt. Zion inclui a necessidade de alguns sempre manterem os olhos abertos, especialmente quando a maioria está com os olhos fechados em oração, disse Middleton.

“Ninguém jamais pensou que tiroteios em massa aconteceriam em igrejas, que são santuários sagrados onde você pode escapar do mundo e buscar refúgio espiritual”, disse ele. “Quando esse espaço é violado, cria-se uma inquietação de espírito.”

Após o massacre de 2018 na sinagoga Tree of Life em Pittsburgh, o rabino Jon Leener se reuniu com a polícia local de Nova York para discutir a segurança da Base BKLYN, seu ministério doméstico que recebeu milhares de pessoas.

Junto com sua esposa, Faith, o rabino abriu a porta da frente logo antes dos jantares de Shabat, acreditando em um judaísmo onde nenhuma porta é fechada ou trancada.

Mas essa situação mudou, em decorrência do ataque antissemita mais mortal da história dos EUA. Leener também instalou uma câmera de segurança e um sistema de buzz-in para os visitantes. Ele contratou um guarda armado após a situação de reféns deste ano no Texas.

“É terrivelmente lamentável que vivamos em uma época em que precisamos comprometer nosso valor de abertura para a ameaça de violência, mas essa é apenas a realidade no momento”, disse Leener.

Igreja acolhedora

É um ato de equilíbrio para muitos. Marsh disse que o tiroteio em sua igreja aconteceu porque os membros da congregação taiwanesa foram bem-vindos ao atirador – uma pessoa que eles não conheciam.

“A igreja precisa ser acolhedora para todas as pessoas, e não podemos perder isso”, disse ele.

“Existem maneiras de um atirador ativo poder entrar em nosso campus novamente? Sim. Mas temos que estar dispostos a que isso aconteça novamente. Caso contrário, todos teríamos que passar por detectores de metal. Não seria mais uma igreja”.

Fonte: Guia-me com informações de AP News

Comentários