Os quatro acusados de extorquir o padre Júlio Lancelotti foram absolvidos pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A decisão foi divulgada nesta segunda-feira, mas não foram divulgados detalhes da decisão por determinação do juiz Caio Farto Salles, da 31ª Vara Criminal de São Paulo.

O Ministério Público havia pedido, sem sucesso, a condenação de Anderson Batista, 25, (ex-interno da Febem) e de sua mulher, Conceição Eletério, 44, e dos irmãos Evandro dos Santos Guimarães, 28, e Everson dos Santos Guimarães, 26.

O padre Júlio Lancelotti procurou a polícia para denunciar a extorsão em setembro. Lancelotti, –conhecido por sua atuação em favor de moradores de ruas e menores infratores– disse ter entregue R$ 80 mil a Batista em três anos. Depois, a defesa do religioso admitiu que o valor poderia chegar a R$ 150 mil.

Batista disse durante as investigações que o padre havia dado o dinheiro por vontade própria e que ele e Lancelotti haviam tido um relacionamento homossexual. A mulher dele também afirmou que o padre havia abusado sexualmente de seu filho de sete anos, mas depois negou á Justiça.

A Polícia Civil também havia concluído que o padre é vítima do grupo.

Fonte: Folha Online