A juíza chilena Jéssica González declarou que espera uma resposta oficial do Vaticano para poder encerrar a investigação que revisa as acusações contra o padre Fernando Karadima por abusos sexuais.

A magistrada considerou que, seis meses após a solicitação da exortação internacional de acesso à investigação eclesiástica, já é tempo de receber o documento da Santa Sé.

“Não chegou a mim a resposta da exortação internacional a respeito do que se solicitou em maio, e há algumas pessoas citadas que é o que ainda vai ficando pendente”, afirmou.

O documento, solicitado em maio, trata da compilação da investigação empenhada pela Igreja Católica que neste ano condenou Karadima a uma vida de oração e retiro por causa de abusos sexuais e de poder.

González também solicitou ao Vaticano a intervenção da Pia União Sacerdotal, do seminário local, que manejava grandes quantidades de dinheiro.

“Não posso encerrar o sumário se não chega a mim a exortação internacional”, justificou, indicando que, “se demorar muito, teria que pedir explicações”.

Além de ser penalizado na Igreja Católica, Karadima também foi acusado e processado na Justiça chilena após testemunhos de quatro vítimas, hoje adultas.

Na época dos crimes, ele era responsável pela Igreja do Sagrado Coração de El Bosque e um dos sacerdotes mais influentes dos anos 1980 como formador de outros religiosos, entre eles cinco bispos atuais.

As denúncias comoveram a sociedade chilena e levantou críticas contra a hierarquia católica do país, que acusavam-na de não ter feito nada quando as denúncias foram feitas, em 2004.

[b]Fonte: Ansa[/b]