Por considerá-la desnecessária, desumana, imoral e insuficiente, a Igreja Luterana em El Salvador posicionou-se contra a introdução da prisão perpétua no país, proposta que está em fase de discussão.

Essa medida, assim como outras leis, só vem para semear mais medo e terror na população, afirmou o bispo luterano Medardo Gómez. “Não é justo que tenhamos que viver, diariamente, num ambiente de morte e inquietude pela violência que golpeia o país, e as leis, ao invés de proteger, condenam o povo dessa forma”, argumentou.

Há três anos, o Código Penal sofreu reforma, que estendeu de 35 para 65 anos a pena máxima. Agora, está sendo proposta nova reforma, que introduziria a prisão perpétua.

Segundo Medardo Gómez, “caímos numa situação de loucura, pois embora está claro que existe um clima de violência que ceifa a vida de mais de 15 pessoas por dia, essa medida desesperada do governo é meramente propagandística e não tem a intenção de resolver o problema da segurança, mas de gerar temas de campanha”.

O mais preocupante, acrescentou o bispo, é que recursos, esforços e tempo são investidos em ações que, sabe-se de antemão, não funcionam, mas que servem para justificar outras medidas, neste caso, a pena de morte, que seguramente já existe no plano de algum candidato.

A prisão perpétua é uma mostra do fracasso do sistema de segurança e do modelo de governo, afirmou Gómez. Por isso, “é urgente buscar a paz e para construí-la devemos contribuir todos e todas por igual, porque a paz é o fruto da justiça”, declarou.

Fonte: ALC