Igreja destruída na Índia
Igreja destruída na Índia

“Mais de 100 igrejas foram fechadas em 2018, devido a ataques extremistas ou intervenção das autoridades”, diz a Aid to Church in Need (ACN) em seu relatório sobre a perseguição religiosa na Índia.

“Não apenas a violência comunitária permaneceu alta, mas o fracasso das autoridades em atacar as minorias religiosas gerou um clima de impunidade”, descreve.

Em todo o país, os cristãos foram atacados em pelo menos 24 dos 29 estados da Índia em um período de dois anos que terminou em julho, informou a ACN de 14 de novembro sob o título “Perseguidos e Esquecidos?”, que estudou a perseguição cristã na Índia e em 11 outros países.

Os cristãos indianos foram espancados, assassinados e estuprados, com o ACN calculando pelo menos 117 incidentes no primeiro trimestre de 2019, 477 em 2018 e 440 em 2017.

No antigo estado de Jammu e Caxemira, no norte da Índia, os cristãos sofreram crescente perseguição desde que o governo liderado pelo BJP revogou uma lei de 1949 que permitia a Jammu e Caxemira formar sua própria constituição, informaram Morning Star e grupos de vigilância de perseguição religiosa, incluindo Portas Abertas e Voz dos mártires.

Novas medidas de segurança lançadas em 6 de novembro tornam “quase impossível” as congregações cristãs se encontrarem, informou o Morning Star.

Reuniões de quatro ou mais pessoas são agora ilegais em Jammu e Caxemira. As novas restrições encorajaram ainda mais os extremistas do Hindutva em ataques pessoais a cristãos, que representam apenas um quarto de um por cento dos 12,5 milhões de pessoas no estado anterior.

Ao recuperar a consciência depois que radicais o deixaram quase morto em ataque que sofreu em sua igreja doméstica no leste da Índia, o pastor Basant Kumar Paul proclamou que não teme perseguição e tem certeza de seu lar celestial.

“Meu corpo físico pode estar fraco, mas meu espírito é muito forte, não quebrará com a perseguição”, afirmou na sexta-deira (22) ao jornal Morning Star News.

“Eles tentaram me matar duas vezes, eu estava quase morto, mas ainda não morri. Não vou morrer até que o Senhor me chame de volta para casa. Essa garantia afasta todos os meus medos”, declarou.

Ainda se recuperando do ataque de 12 de novembro à sua família imediata e extensa em Jharkhand, Índia, Paul está entre os 65 milhões de cristãos que enfrentam a maior perseguição no país de 1,4 bilhão de pessoas.

A perseguição está aumentando sob o nacionalismo hindu de extrema direita, incentivado pelo Partido Bharatiya Janata (BJP), de acordo com relatos de todo o país asiático.

Perseguição oficial

Em maio, o governo demoliu uma escola e um albergue administrados pela igreja no estado de Odisha, no leste da Índia, deslocando pelo menos 100 estudantes que moravam no albergue da escola, informou a ACN. Um grupo extremista reclamou ao governo que a escola cristã estava evangelizando os estudantes, o que o diretor negou.

O presidente da USCIRF, Tony Perkins, pediu ao governo indiano “que proteja os direitos de todas as minorias religiosas consagradas na constituição indiana”.

A Portas Abertas disse que o relatório da ACN, em particular, aumenta a Lista Mundial de Portas Abertas 2019, que pela primeira vez lista a Índia entre os 10 principais países para perseguição cristã.

“Desde que o atual partido no poder assumiu o poder em 2014, os ataques aumentaram e os radicais hindus acreditam que podem atacar os cristãos sem consequências. Como resultado, os cristãos têm sido alvo de extremistas nacionalistas hindus cada vez mais a cada ano”, disse a Portas Abertas, responsável pela Lista Mundial de Perseguição, que classifica a Índia em 10º lugar.

Segundo a Portas Abertas, “a visão dos nacionalistas é que ser indiano é hindu; portanto, qualquer outra fé – incluindo o cristianismo – é considerada não indiana. Além disso, em algumas regiões do país, os convertidos ao cristianismo do hinduísmo sofrem extrema perseguição, discriminação e violência”.

No caso do pastor Paul em Jharkland, ele e outros membros da família estão sendo investigados por realizar cultos na igreja em sua casa, onde cerca de 35 pessoas se reúnem para adoração, informou o Morning Star.

A casa de Paul é a única família cristã em sua aldeia, mas outras vêm de até 20 quilômetros para cultuar em sua casa.

“Eu enfrentei tanta oposição de minha própria família, meu clã e do [grupo extremista hindu] Rashtriya Swayamsevak Sangh, onde eu estava profundamente envolvido como professor antes de vir a Cristo, que agora me tornei imune à perseguição”, ele disse ao Morning Star.

“Eu não tenho mais medo de perseguição. Embora nos primeiros anos de minha fé, eu tivesse”, contou.

No ataque à sua família, oito extremistas entraram em sua casa e espancaram Paul até que eles pensassem que ele estava morto, espancando os membros de sua família enquanto cada um tentava ajudar.

Entre os feridos, os agressores quebraram a perna do filho de Paul e atingiram sua mãe Lakhpati Devi, de 68 anos, que foi ferida na cabeça com um machado por extremistas hindus em um ataque à igreja de seu filho, em 12 de novembro, em Jharkhand, na Índia.

Segundo o CIA World Fact Book, cerca de 80% da população da Índia é hindu. O Portas Abertas conta com 65 milhões de cristãos no país.

Fonte: Guia-me com informações de BP News