Culto em um campo de refugiados do Sudão do Sul, na Uganda
Culto em um campo de refugiados do Sudão do Sul, na Uganda

Cada vez mais há pessoas deslocadas pelo mundo. O número é expressivo: 65,6 milhões de pessoas foram forçadas a deixar suas casas em diversas zonas de conflito, provocando uma crise humanitária em todas as regiões do planeta.

Uma boa notícia neste cenário caótico é que houve um grande aumento na demanda de distribuição de Bíblias entre as pessoas que anseiam pelo conforto, esperança e cura de Deus.

No sul do Sudão, onde quatro milhões de pessoas foram expulsas de suas casas, a distribuição das Escrituras aumentou dramaticamente. A Sociedade Bíblica distribuiu mais de 250 mil Bíblias desde o início do conflito, em dezembro de 2013.

Se comparado com o ano anterior ao início da guerra (2012), foi constatado uma média de 6 mil Bíblias.

Após quatro anos de conflito no leste da Ucrânia, 4,4 milhões de pessoas estão em “grave situação humanitária”, segundo as Nações Unidas. No ano passado, a Sociedade Bíblica da Ucrânia distribuiu mais de 190 mil edições das Escrituras, muitas delas para pessoas afetadas pelos combates.

Este grupo de pessoas incluem refugiados, soldados e pacientes hospitalizados. Metade dos que foram distribuídos foram edições especiais do Novo Testamento, incluindo um modelo impermeável aos militares e outro que destaca versos sobre a esperança.

“No meio da tensão, as pessoas buscam o conforto e a estabilidade encontrados na Palavra de Deus”, disse o secretário-geral da Sociedade Bíblica, Rev. Oleksandr Babiychuk.

Enquanto isso, dois milhões de artigos baseados na Bíblia, incluindo mais de 350 mil Bíblias completas foram distribuídos na Síria, Líbano, Jordânia e Iraque desde que o conflito atingiu a região em 2011.

Em 2017 um número recorde de 200,281 lotes foi distribuído na Síria, com uma equipe de quatro membros da Sociedade Bíblica, segundo a livraria de Aleppo que ficou aberta quase todos os dias durante os sete anos de guerra.

“Durante o Natal, organizamos nossa maior distribuição”, disse George, líder da equipe. “Eu via as crianças quando recebiam os presentes. Eles acham que a Bíblia é um presente especial de Deus. Desta forma, damos às crianças a esperança de que Deus as ajudará neste momento ruim”, finalizou.

Fonte: Guia-me