O número de mortos no terremoto de 8,8 graus que atingiu o Chile na madrugada deste sábado já chega a 708, informou a presidente do país, Michelle Bachelet, em coletiva neste domingo. Os esforços para determinar a extensão dos danos são prejudicados pelas dezenas de tremores secundários que continuam a atingir a região.

Equipes de resgate atuam com cautela por receio dos novos tremores. Noventa terremotos de magnitude 5 ou maior atingiram a região nas 24 horas desde sábado.

Além dos mortos, cerca de 500 mil casas foram destruídas, de acordo com a presidente. “Estamos enfrentando uma catástrofe gigantesca, que irá exigir um esforço de recuperação gigantesco”, disse Bachelet, após encontro com ministros e militares no palácio La Moneda.

Bachelet, que deve deixar a Presidência em 11 de março, anunciou que o país irá aceitar a ajuda oferecida por vários países. Ontem, o presidente americano, Barack Obama, disse que o Chile é um “amigo próximo” e que os EUA estão “‘prontos a ajudar”.

Segundo a presidente, o país necessita com urgência de hospitais móveis, plantas de purificação de água e especialistas em análise de danos. Ela também pediu o envio de mais homens para as equipes de resgate e para os esforços de reconstrução após o tremor.

A capital Santiago, a cerca de 320 quilômetros do epicentro, foi atingida duramente pelo sismo. O aeroporto internacional está fechado por a menos 24 horas uma vez que o terremoto destruiu calçadas e quebrou vidros de portas e janelas.

O metrô da capital foi fechado e os transportes ficaram limitados por causa das centenas de ônibus que ficaram presos devido a uma ponte que foi danificada pelo tremor.

Segundo a polícia, mais de cem pessoas morreram em Concepcion, a maior cidade da área próxima do epicentro, com cerca de 200 mil habitantes. Muitas ruas da cidade ficaram cobertas de escombros, e centenas de detentos escaparam da penitenciária após o tremor.

Em 1960, o Chile foi atingido por um terremoto de magnitude 9,5, um dos mais fortes já registrados. O tremor devastou a cidade de Valdivia, matou 1.655 pessoas e causou um tsunami que atingiu a Ilha da Páscoa, distante 3.700 quilômetros da costa chilena. A onda continuou e chegou ao Havaí, Japão e Filipinas. As ondas que chegaram nas Filipinas demoraram cerca de 24 horas para atingir o país.

O terremoto deste sábado foi sentido em São Paulo e também nas Províncias argentinas de Mendoza e San Juan. Uma série de abalos subsequentes atingiram a região costeira do Chile.

Saques

O governo do Chile decidiu decretar toque de recolher em Maule e Concepción, regiões que foram mais atingidas pelo terremoto de sábado. A informação foi divulgada pela TV estatal neste domingo. A medida vigora entre as 21h e 6h.

A decisão foi tomada depois que o número de saques a supermercados e farmácias no Chile aumentou neste domingo. Os moradores de Quilicura, ao norte de Santiago, invadiram estabelecimentos neste domingo, depois do mesmo ocorrer em Concepción, cidade de meio milhão de habitantes ao sul de Santiago, segundo informações do jornal chileno “La Tercera”.

Dezenas de pessoas invadiram os supermercados Líder e Ekono em Quilicura, que permanece sem luz e água.

Em Concepcion, policiais usaram jatos d’água e gás lacrimogêneo para reprimir pessoas que tentavam arrombar a porta de um supermercado.

Em San Pedro, do outro lado do rio Bio Bio, outro grupo saqueou um shopping center.

Uma loja de vídeos foi incendiada, enquanto um banco e um supermercado foram assaltados

Tsunami

O terremoto também causou a formação de um tsunami no oceano Pacífico, que matou várias pessoas em uma ilha chilena e devastou outras comunidades costeiras da região.

A atuação rápida dos governos, a retirada de dezenas de milhares de pessoas e a cooperação da população permitiu que o tsunami criado pelo terremoto do Chile passasse neste domingo pela Oceania e Pacífico sul sem causar vítimas fatais.

Desde o tsunami de 2004, que matou cerca de 230 mil pessoas em uma dúzia de nações banhadas pelo Índico, as autoridades e povoações desta região do mundo levam muito a sério o perigo das ondas gigantes.

Austrália, Nova Zelândia, Fiji, Samoa e outros países banhados pelo Pacífico sofreram hoje o impacto, mas as ondas que se abateram em seu litoral mediram em geral entre um e três metros de altura e quebraram sem causar danos.

Fonte: Folha Online