Segundo a edição de hoje do jornal Folha de São Paulo, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) emprega no gabinete cinco pastores de sua igreja evangélica que recebem salários da Câmara sem cumprir expediente em Brasília nem em seu escritório político em Orlândia, SP.

Os funcionários, segundo a Folha, são os pastores Rafael Octávio, Joelson Tenório, André Luis de Oliveira, Roseli Octávio e Wellington de Oliveira. Eles dirigem a igreja nas cidades de Franca, Ribeirão Preto, São Joaquim da Barra e Orlândia, todas no interior paulista.

Os pastores funcionários da Câmara celebram os cultos e cuidam da administração financeira das unidades. Não há trabalho legislativo por parte deles. O escritório político de Feliciano fica em Orlândia, num imóvel anexo à igreja -onde a reportagem esteve por duas vezes em horário de expediente, mas só encontrou portas trancadas, diz a matéria.

O pastor Wellington de Oliveira, conhecido como “pastor Wel”, afirmou para a reportagem da Folha de São Paulo, que é normal a nomeação dos pastores, mesmo que fiquem nos templos. “Qualquer pessoa que vai contratar o seu assessor parlamentar contrata gente próxima, amigos. Os pastores são amigos”, disse.

De acordo com a Folha de São Paulo, os cargos de assessoria parlamentar no gabinete de Feliciano, ocupados pelos pastores da sua igreja, a Catedral do Avivamento, têm salários que chegam a R$ 7.000.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]