Flordelis chorando
Flordelis chorando

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro voltou a defender que o julgamento da ex-deputada federal Flordelis e outros réus acusados do assassinato do pastor Anderson do Carmo, em 2019, seja levado a júri popular.

A defesa da parlamentar havia entrado com recurso contra a decisão do Tribunal do Júri que determinou que o caso fosse a júri popular.

O MP-RJ apresentou parecer contrário a esse recurso na última sexta-feira (20), por meio da 4ª Procuradoria de Justiça. O pedido da defesa de Flordelis será julgado pela 2ª Câmara Criminal.

Flordelis teve seu mandato de deputada federal cassado, no dia 11 de agosto, por quebra de decoro parlamentar.

Foram 437 votos pelo afastamento definitivo, sete contra e 12 abstenções.

A ex-deputada de 60 anos, foi presa pela Polícia Civil em sua casa, em Niterói (RJ), dois dias depois da cassação de seu mandato.

Flordelis foi transferida na semana passada para o presídio Talavera Bruce, no Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro. Ela está presa preventivamente desde decisão do juízo da 3ª Vara Criminal de Niterói, de 13 de agosto.

A ex-parlamentar é apontada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.