Muro da Reforma vandalizado, em Genebra, 15 de julho de 2019. (Foto: Reprodução/LemanBleu.ch)
Muro da Reforma vandalizado, em Genebra, 15 de julho de 2019. (Foto: Reprodução/LemanBleu.ch)

Um monumento representando os reformadores protestantes John Calvino, William Farel, Theodore de Bèze e John Knox instalado em Genebra, na Suíça, apareceu coberto de tinta com as cores do arco-íris.

O vandalismo no Muro da Reforma foi registrado nesta segunda-feira (15) no Parc des Bastions. A cidade de Genebra registrou uma reclamação contra a ação dos vândalos.

O monumento é uma das principais atrações turísticas da cidade em que John Calvino, um dos principais reformadores protestantes franceses, desenvolveu seu trabalho depois de 1536.

O muro, inaugurado em 1909, também homenageia a influência de Farel, Bèze e Knox, que aprecem juntos na escultura.

A tinta foi jogada no monumento formando um arco-íris, um símbolo dos grupos LGBT.

Na primeira reação, a polícia disse que ninguém havia reclamado o ataque. De acordo com o site local LemanBleu, o conselho da cidade de Genebra registrará uma queixa criminal. Funcionários trabalhando no parque disseram que o monumento seria limpo o mais rápido possível.

Houve vários atos de vandalismo contra o monumento protestante no passado. De acordo com o jornal Le Matin, em março, ativistas feministas escreveram um grafiti na parede dizendo: “Onde estão as mulheres?”

Fonte: Guia-me com informações de Evangelical Focus